domingo, 19 de fevereiro de 2017

Paul McCartney e os Wings - Parte 1

Os Beatles estavam destruídos. Por volta de 1969 Paul já sabia que o grupo não iria mais muito longe. Durante uma reunião na Apple (a empresa fundada pelo grupo) em Londres, Paul propôs que os Beatles tinham que voltar a fazer shows ao vivo. Ele lançou a proposta de fazer concertos em pequenos lugares, para pequenos públicos, talvez até mesmo usando outro nome, que não fosse Beatles. Era uma volta aos primeiros anos, para recuperar o prazer de tocar ao vivo.

A resposta de John Lennon para a proposta de Paul foi a pior possível. Ele encarou o colega de banda e disparou: "Eu acho que você está louco, Paul!". John não tinha a menor intenção de tocar ao vivo de novo com os Beatles. O mesmo acontecia em relação a George Harrison. O pior aconteceu depois quando Lennon e Harrison trocaram socos por causa de uma desavença de negócios. Era isso, os Beatles se odiavam, não queriam mais trabalhar uns com os outros e a chegada de um novo empresário, não aceito por Paul, acabou decretando o fim do conjunto. Paul anunciou publicamente que estava fora e com isso abriu-se uma caixa de Pandora, com inúmeros processos e brigas sem fim.

Paul McCartney sabia que mais cedo ou mais tarde ele teria que voltar para a estrada. Embora tenha ficado financeiramente bem no fim dos Beatles o fato é que ele perdeu muito dinheiro ao longo dos anos. Nem sequer tinha mais os direitos sobre as próprias músicas que havia escrito - algumas delas entre as mais populares do século. O empresário Allen Klein que havia sido contratado por John Lennon enfrentava acusações de que estava roubando os Beatles e a Apple. Foi tudo muito feio, muito trágico.

Paul não queria deixar os Beatles, para falar a verdade. Ele superou várias crises causadas pelos demais membros. Ringo, por exemplo, disse que ia deixar os Beatles ainda na época do White Album. Um dia ele simplesmente se levantou da bateria e foi embora. Só com muita diplomacia por parte de Paul ele decidiu voltar. George Harrison era um dos mais problemáticos. Ele não aceitava as sugestões de McCartney e se irritava com qualquer coisa, qualquer observação. Embora posasse como Hare Krishma, Harrison tinha uma personalidade extremamente difícil, era temperamental, tinha sempre uma frase mordaz para dizer e ofendia Paul diretamente. E John não ajudava em nada. Ele estava obcecado por Yoko Ono. Assim para Paul não sobrou outra alternativa do que pegar seu boné, ir embora e formar uma nova banda de rock. Ela já tinha até nome: Wings! Uma nova fase em sua carreira estava prestes a começar.

Pablo Aluísio. 

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 6

Derek Taylor, que trabalhou muitos anos com os Beatles, resumiu bem os bastidores do grupo: "Na Apple havia todo tipo de coisa, menos paz e amor". Era uma frase irônica, um sarcasmo, sobre a diferença entre a imagem pública dos Beatles e as brigas sem fim que caracterizavam o cotidiano dos integrantes da banda. Quando Paul McCartney saiu dos Beatles em 1970 a primeira coisa que ele fez foi fundar sua própria empresa, a MPL. A partir de então tudo o que se referia a sua carreira seria administrada única e exclusivamente por ele mesmo, sem a interferência de empresários ladrões e agentes corruptos. Paul havia aprendido muito com o desastre da Apple e usou aquilo como experiência profissional, algo que ele não queria mais repetir.

Já John, George e Ringo cometeram um erro fatal. Com a saída de Paul eles resolveram dar mais poder ainda ao empresário Allen Klein! John Lennon queria provar um ponto de vista para Paul, a de que Klein era realmente o nome certo para os Beatles. O problema é que ele não era. Em pouco tempo começaram a surgir denúncias de mal gerenciamento de Klein sobre os direitos dos Beatles. Ele foi acusado pela imprensa americana de ter ficado com a maior parte dos lucros do lançamento do álbum "Let It Be" nos Estados Unidos. Além disso havia forte indícios de que Klein estava vendendo para o mercado negro gravações inéditas da banda. Em poucas palavras: ele estava roubando os Beatles!

Paul McCartney obviamente se sentiu gratificado com tudo. Ele havia dito que Klein não era o nome certo para gerenciar os negócios dos Beatles e isso basicamente criou a crise que o fez abandonar o conjunto. John Lennon assim pagou caro por ter comprado essa briga. Em 1973 John cansado das histórias mal explicadas de Klein finalmente o demitiu. Lennon acreditava que o contrato do empresário havia chegado ao final e por isso não queria mais renová-lo. Klein alegou quebra de contrato e abriu processos milionários contra John, George, Ringo e Paul. Em relação a McCartney ele conseguiu se livrar da ação, principalmente ao provar nos tribunais que jamais havia assinado um documento considerado crucial na causa. John porém não teve a mesma sorte. Ele assinava tudo o que Klein colocava em sua frente. Acabou perdendo milhões de dólares por causa disso.

Já a empresa Apple, que os Beatles tinham fundado, continuou as atividades, embora a própria banda já não mais existisse. "Uma situação surreal!" - resumiu Neil Aspinall, que ficou à frente do selo após a explosão dos Beatles nos tribunais. A EMI porém não abriria mão do contrato que os Beatles havia assinado, cuja duração previa o lançamento de discos até 1975. A situação acabou sendo resolvida em acordos individuais, onde cada um membro da banda gravaria seus discos solos que iriam valer para o cumprimento do contrato. Era uma saída que acabou poupando os ex-Beatles de novos processos e novas dores de cabeça.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Frank Sinatra, JFK e a Máfia - Parte 1

Um dos aspectos mais curiosos da história de Frank Sinatra foi sua aproximação ao senador John Kennedy (futuro presidente dos Estados Unidos) e a ligação que ele acabou exercendo entre o clã de JFK e a máfia italiana durante a década de 1960. Inicialmente tudo foi fruto de uma série de coincidências que foram acontecendo. Não havia um plano por parte de Sinatra em aproximar a máfia de John Kennedy, nada disso, foi algo que apenas aconteceu.

O interesse de Sinatra em relação a Kennedy era algo natural de acontecer. O cantor sempre foi ligado ao Partido Democrata, sendo um eleitor e um partidário até bastante animado. Sinatra não tinha nenhuma razão para ser republicano, uma vez que ele nasceu em uma família de imigrantes, teve um começo difícil e não era um riquinho ou algo do tipo. Assim Sinatra se identificava basicamente com a classe trabalhadora.

O senador John Kennedy (que todos chamavam de Jack na intimidade) era um jovem político, representando uma brisa de inovação na saturada e envelhecida classe política americana. Assim que Sinatra conheceu Kennedy pessoalmente ele ficou animado para colaborar. Frank tinha mesmo uma forte convicção que JFK era a solução para os problemas do país, um homem que iria marcar para sempre caso conseguisse ganhar a eleição.

Sua opinião porém não era compartilhada por seus amigos mafiosos. A família Kennedy era velha conhecida da máfia. Os principais chefões conheciam bem o pai de JFK, considerado por eles como um velho escroque irlandês. Um homem que passava longe das ideias de Sinatra. O velho patriarca Kennedy havia inclusive se envolvido no contrabando de bebidas ilegais durante a Lei Seca. Ele passava longe de ser um exemplo para quem quer que seja. Depois de casar com a rica herdeira do banco Fitzgerald, ele obviamente ficou muito rico e deixou suas trambicagens de lado, mas a Máfia sabia muito bem de onde vinha Kennedy e seu passado. Assim não havia nenhuma surpresa sobre aquela família. O próprio John não era bem visto pela Cosa Nostra. O chefão Salvatore Giancana, por exemplo, costumava dizer que JFK era um verme, resumindo a questão numa frase: "Dê uma mulher a esse cara e ele fará o que você quiser!"

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 5

Em 1967 Paul McCartney comprou uma fazenda na Escócia. Ele comprou na planta, sem nunca ter colocado os pés lá. Só alguns meses depois Paul resolveu visitar o lugar ao lado de sua namorada Jane Asher. Realmente era uma região bem isolada, uma das propriedades rurais mais inacessíveis que se poderia pensar. Não havia muita coisa por lá, a não ser uma pequena cabana, sem luz elétrica ou qualquer luxo do mundo civilizado. Jane achou tudo horrível, mas Paul adorou o jeito rústico do lugar. Ele estava procurando por algo assim há bastante tempo, um refúgio que o tiraria da loucura dos Beatles e dos compromissos na carreira. Paul resolveu chamar seu rancho de High Park e em pouco tempo aquele seria um dos seus lugares preferidos.

Linda, a futura esposa de Paul, com seu jeito meio hippie, também adotaria a fazenda na Escócia como um dos melhores lugares para se estar. Paul e ela iam com regularidade para lá, onde ficavam isolados por semanas a fio. Nos primeiros meses Paul não modificou em nada a rudeza do lugar. Quando apareceu um buraco no teto ele mesmo tratou de consertar. Depois comprou equipamentos como um trator e começou uma criação de ovelhas. Acabou até mesmo seguindo a moda dos fazendeiros da região, deixando crescer uma grande barba vitoriana! Também mandou instalar energia elétrica, porque viver sem luz também já era demais! Assim quando Paul queria escapar das pressões era para lá que ele ia embora. Com as melhorias Paul foi levando cada vez mais coisas para High Park. Ele instalou praticamente um estúdio de gravação por lá, uma sugestão de Linda. E foi nesse lugar bucólico, isolado e de paz, que Paul acabou gravando seu primeiro disco solo.

Em "McCartney", o álbum, Paul fez tudo. Ele compôs as canções, tocou todos os instrumentos sozinho, gravou sua parte vocal e depois produziu as fitas. Foi um disco de um homem só. Paul tinha intenção de colocar o LP para venda logo no começo de 1970, mas como era de se prever em termos do selo Apple logo surgiram problemas. John Lennon parecia disposto a sabotar o disco de Paul. E ele tinha uma arma bem poderosa em suas mãos, o novo disco dos Beatles, "Let It Be". John arquitetou um plano para lançar o novo disco dos Beatles na mesma semana em que o novo disco de Paul fosse lançado. Sua intenção era acabar com Paul nas lojas, gerando uma concorrência pesada no mercado.

Quando soube disso Paul ficou indignado! Se aquilo acontecesse realmente suas vendas seriam baixas, pois os fãs certamente iriam escolher o disco dos Beatles ao invés do seu. Provavelmente essa deslealdade de John tenha sido o motivo que Paul estava esperando para processar todo mundo. Em poucos dias Paul abriu um processo contra a companhia de Allen Klein, o novo empresário dos Beatles, contra a Apple e contra os Beatles. Amigos desde quando eram adolescentes Paul agora processava John, George e Ringo. Isso abriu uma verdadeira caixa de Pandora e de repente todos eles estavam processando a si mesmos. "O fim dos Beatles foi uma situação do tipo 'eu processo você e você me processa!" - lamentaria Ringo anos depois. Não haveria mais volta depois de algo assim.

Pablo Aluísio.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 4

John Lennon deixou todos surpresos na Apple quando anunciou que iria embora dos Beatles. Para Paul era um choque completo! Tudo bem, o relacionamento entre os membros do grupo era cada dia pior, porém ele jamais poderia imaginar que John iria pular fora do barco! A reação de Paul foi tensa. Quando John lhe disse que estava fora, ele ficou branco como uma parede! Mal podia acreditar no que ouvia de seu companheiro de tantos anos... E John parecia bem decidido, era o fim mesmo!

"Você não pode deixar os Beatles!" - disse um chocado Paul. "Nós acabamos de assinar um contrato com a EMI até 1975! Você está louco?" - ao que John respondeu: "Que se dane! Me processem! Eu não faço mais parte dos Beatles". A reunião continuou com muita tensão e a única coisa positiva que Paul conseguiu de John foi que ele não anunciasse nada na imprensa até o lançamento do próximo álbum dos Beatles, agora intitulado "Let It Be".

John concordou, mas avisou que nunca mais voltaria a gravar nada com os Beatles. Ringo ficou estupefato, sem saber o que pensar ou fazer, mas curiosamente George, conforme confessaria anos depois, ficou aliviado! Havia muita tensão entre George e Paul nos estúdios e ele criou uma aversão ao estilo de Paul, sempre controlador, sempre querendo que tudo fosse feito ao seu jeito. Apesar disso McCartney tinha razão quando disse a John que os Beatles não podiam se separar naquele momento. A EMI contava com discos inéditos dos Beatles até meados da década de 1970 - ninguém poderia pensar que os Beatles iriam se auto destruir tão cedo! E era certo que todos eles seriam processados por quebra de contrato! Era um desastre completo!

Anos depois em uma entrevista John Lennon explicou sua decisão: "Eu fiquei ali dizendo não, não é não para tudo e para todos. Paul agiu como se eu tivesse pedido um divórcio! Os Beatles, na verdade, já estavam acabados há pelo menos uns três anos. Paul fez um bom trabalho nos mantendo unidos enquanto não sabíamos que caminho seguir na vida. Nessa fase ele supostamente nos liderou, mas para que serve uma liderança se você fica andando em círculos?".

Naquela época a Apple se preparava para o lançamento de dois discos, "Let It Be" e "McCartney", que seria o primeiro disco solo de Paul. Havia um clima de tensão sufocante no selo, mas Paul, para choque mundial, se adiantou e foi à imprensa dizendo que ele estava deixando os Beatles! No dia seguinte manchetes de todo o mundo diziam: "Paul deixa os Beatles!". John se sentiu completamente traído por ele. Lennon havia concordado em esperar, antes de anunciar publicamente que estava deixando os Beatles e agora Paul o apunhalava pelas costas, fazendo o mesmo! Era o fim da picada! O sonho estava definitivamente acabado.

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 3

O clima de tensão e rivalidade entre Paul e John só aumentou com o passar do tempo. Já por volta de 1969 Paul McCartney resolveu consultar alguns advogados pois ele estava planejando processar a Apple e os demais Beatles. Claro que algo assim significaria o fim do conjunto, mas era uma possibilidade que não poderia ser descartada. Enquanto Paul se decidia ou não em processar todo mundo surgia um novo foco de conflito dentro da Apple.

John Lennon, sem consultar ninguém do grupo, decidiu por conta própria dar as fitas originais das gravações das sessões de Let It Be para o produtor Phil Spector. Lennon achava o material muito ruim, sem rumo, sem foco. Talvez Spector conseguisse transformar horas e horas de gravações ruins em um álbum! Quando soube disso Paul ficou completamente fora de si, afinal aquelas também eram suas músicas e nunca alguém tinha mexido nelas antes sem sua expressa autorização.

Canções como "The Long and Winding Road" e a própria "Let It Be" estavam inacabadas, precisando de um complemento em seus arranjos, algo que Paul estava preparando para fazer nos estúdios de Abbey Road. Antes que isso acontecesse John se antecipou e deu tudo para Spector em Nova Iorque dizendo que ele fizesse o que bem entendesse com as gravações. Paul ligou para John e ambos tiveram uma conversa tensa, cheia de ofensas pessoais e ameaças de processo. John disse que não voltaria atrás ao que Paul avisou que se as fitas não voltassem a Londres ele iria processar os Beatles, a EMI e o próprio Phil Spector.

John parecia se divertir com a situação. Ele chegou a afirmar que todo o material era uma grande m* e não estava nem aí para o que Phil Spector iria fazer com ele. Esse seria o começo de uma parceria entre John e o produtor, algo que se estenderia em sua carreira solo, quando Spector iria produzir muitos de seus discos. Para Paul porém não estava nada OK. Ele se irritou quando soube que Spector estava escrevendo um novo arranjo para "The Long and Winding Road". Talvez esse fato tenha sido a gota d'água! As más notícias porém não paravam por aí. Durante outra daquelas reuniões cheias de desaforos e ofensas na Apple, John deixou todos chocados ao bater o punho sobre a mesa, avisando: "Estou fora dos Beatles! Para mim chega!".

Pablo Aluísio.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 2

O fato de John Lennon ter escolhido Allen Klein para ser o novo empresário dos Beatles colocou ele em confronto direto com Paul McCartney. Assim que John declarou sua decisão, Paul foi taxativo ao dizer: "Esse cara jamais vai ser o meu empresário!" ao que John retrucou: "Vai ser sim. Ele vai ser o empresário dos Beatles e sendo você da banda não vai ter outra opção! Aceite Klein!". Paul jamais aceitaria.

Isso criou uma verdadeira rachadura dentro dos Beatles. De um lado John, George e Ringo e do outro Paul. Até aquele momento os Beatles tinham um trato não escrito dizendo que qualquer decisão dentro do grupo deveria ser unânime. Sempre que alguém dissesse "não" a decisão não seria tomada. John ignorou isso e quis impor a decisão da maioria, dizendo que Paul iria aceitar Klein de todas as maneiras. Isso criou uma tensão que duraria meses, sempre com Paul dizendo não, não e não!

Esse tipo de briga não ajudou em nada para o desastroso balanço financeiro da Apple. Para aliviar um pouco a situação Paul compôs "Hey Jude" para ser o primeiro single no novo selo. Era uma grande música, que rapidamente se tornou um sucesso mundial, mas nem o ótimo resultado comercial do compacto livrou os Beatles de muitos problemas comerciais. Na época a EMI queria renovar o contrato do grupo. John então indicou Allen Klein para as negociações, mas Paul não aceitou ser representado por ele. Ao invés disso informou à EMI que seus contratos futuros deveriam ser negociados como seu sogro Lee Eastman.

John Lennon ficou possesso com a decisão de Paul. Quando se encontraram na sede da Apple, no centro do Londres, eles trocaram todos os tipos de insultos e acusações entre si. Duas revelações pioraram ainda mais a situação. John descobriu que Paul estava falando mal de Yoko Ono pelas suas costas e que seus royalties com a EMI seriam maiores do que os dos demais Beatles. Para John isso foi uma traição para o conjunto. Paul deu de ombros. Seu novo empresário Lee Eastman tinha sido mais eficiente do que Klein. Qual era o problema disso? Paul também comprou briga com George Harrison ao ridicularizar sua postura de Hare Krishna com todo aquele papo de espiritualidade ao mesmo tempo em que enviava parte de sua fortuna para paraísos fiscais, para fugir dos impostos ingleses. Para Paul o seu companheiro de banda George Harrison não passava de um baita de um hipócrita. Nem precisa dizer que isso piorou ainda mais o relacionamento interno entre os Beatles que ficaram a um passo da separação.

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple

Quando Brian Epstein morreu os Beatles ficaram sem saber como administrar os negócios da banda. Foi então que John Lennon propôs a criação de uma nova empresa chamada Apple. Ela iria gerir todos os assuntos ligados aos Beatles, além de abrir novas oportunidades a artistas que só queriam ter uma chance. Na coletiva de imprensa de anúncio da Apple John Lennon declarou: "Eu quero que todos os que são artistas nos enviem seus materiais. Na Apple vocês vão ter espaço e não irão precisar se ajoelhar a ninguém para ter uma chance!".

Como se pode perceber as intenções eram as melhores possíveis só que na prática a Apple se transformou em uma desastre comercial e financeiro completo. O anúncio de John fez com que milhares de pessoas enviassem fitas e gravações para o prédio do novo selo dos Beatles em Londres só que ninguém estava realmente disposto a ouvi-los. Os Beatles não iam até a Apple e seus funcionários não passavam de amigos e colegas do grupo, pessoas sem formação nenhuma para gerir uma grande empresa. O próprio George Harrison reconheceu isso quando resolveu fazer uma visita surpresa na Apple e descobriu que não havia ninguém trabalhando de fato por lá. Os funcionários passavam o dia todo fumando maconha!

John não queria saber da Apple, nem George e nem muito menos Ringo. O único que se mostrou a fazer algo pela empresa foi Paul McCartney. Ele percebeu que a empresa era uma bagunça completa e que muito dinheiro estava sendo perdido com ela. O pior é que era o seu dinheiro, por isso resolveu convidar seu sogro Lee Eastman para administrar aquele caos. A ideia não foi bem recebida pelos demais Beatles. Eles achavam que Paul iria dominar completamente a empresa com seu sogro no comando, assim John, George e Ringo se uniram para desmontar os planos de Paul.

Isso daria origem a uma das maiores brigas da história dos Beatles, algo que iria só crescer com os anos, desandando para a separação definitiva do grupo alguns anos depois. John Lennon lançou o nome de Allen Klein para controlar a Apple e os Beatles. Klein era um astuto homem de negócios de Nova Iorque que já tinha trabalhado com os Rolling Stones antes. Ele tinha fama de não ser muito honesto, mas Lennon resolveu confiar nele! "Alguém com essa fama de tubarão e ladrão como Klein não pode ser um mau sujeito!" - teria dito. Paul obviamente não aceitou ter Klein como empresário e uma guerra começou dentro dos Beatles, uma guerra onde milhões seriam perdidos, outros roubados e a banda não sairia viva dela.

Pablo Aluísio.

sábado, 28 de janeiro de 2017

George Harrison: A Vida Depois dos Beatles

Após o fim dos Beatles o guitarrista George Harrison desenvolveu uma clara aversão ao tema relacionado ao seu antigo conjunto. Ele procurava evitar falar dos Beatles em entrevistas e pouco teve contato com os ex-companheiros de grupo. Assim que os Beatles se dissolveram Harrison gozou de uma excelente fase comercial em sua carreira solo. De fato nos primeiros anos da década de 1970 ele conseguiu, para surpresa de muitos, superar seus ex-parceiros John e Paul no quesito número de cópias vendidas no mercado.

Porém contrariando todas as expectativas sua carreira solo também teve pouco fôlego. Talvez por estar envolvido demais com os problemas legais da Apple ou por causa da linha religiosa hindu que havia decidido seguir, o fato é que os discos solos de George começaram a rarear no mercado, ele pouco compôs em relação aos outros ex-Beatles e não parecia mais ter tanto interesse no trabalho de fazer novos discos todos os anos.

Na verdade George aos poucos foi se tornando um recluso. Ele parou de fazer concertos ao vivo e de aparecer em público. Para muitos George foi ficando paranoico com sua segurança. A morte de John Lennon, covardemente assassinado na frente de seu prédio em Nova Iorque, piorou ainda mais a situação. George passou a ter pavor de encontrar fãs dos Beatles ao acaso, afinal poderia ser mais um lunático como aquele que assassinou Lennon. Tragicamente para ele isso não o deixou a salvo. Muitos anos depois um maluco conseguiu invadir sua mansão. George se viu face a face com um psicótico armado com uma faca. Segundo os laudos George levou várias facadas e sobreviveu milagrosamente. Sua esposa Olivia o salvou, jogando um abajur pesado na cabeça do agressor.

Em relação aos demais Beatles George praticamente não os viu mais. Ele passou a ter uma crescente ojeriza em relação a Paul e ficava incomodado até mesmo de estar na mesma sala do que ele. Para George seria um alívio nunca mais trabalhar ao lado de Paul, mas acabou tendo que engolir seu ponto de vista ao trabalhar ao lado dele no projeto Anthology. Foi um reencontro tenso, marcado por diferenças que jamais seriam superadas. George só voltou porque estava falido. Seu empresário anterior havia se apropriado de parte de sua fortuna e sua companhia cinematográfica estava destruída financeiramente após o lançamento de vários filmes que se tornaram fracassos de bilheteria. Precisando de dinheiro ele participou do Anthology, se comprometendo a participar de três novas faixas com os demais Beatles. Acabou só fazendo duas, por não aguentar mais ter que tocar ao lado de Paul em estúdio. Foi o último suspiro dos Beatles.

Pablo Aluísio.

Madonna - True Blue

Não faz muito tempo vi uma entrevista da Madonna falando mal de seus primeiros discos, definindo eles como algo "pré-histórico", primitivo e que atualmente ela se sentia muito mais confiante em seu trabalho. Não seja tão pretensiosa querida Madonna. Em relação ao seu trabalho eu gosto de compará-lo com os primeiros discos dos Beach Boys. Quando eram despretensiosos (e tinha um ar de adolescentes assumidos) eram muito mais divertidos. Depois que passou a se considerar uma espécie de "Mozart de saias" ficou chata até dizer chega...

O pop só sobrevive se for bem descartável mesmo, tipo um chiclete que você compra na esquina. Nos tempos de "True Blue" Madonna era bem isso - provavelmente por isso fez tanto sucesso na época! "Papa Don't Preach" que abre o disco tinha justamente esse sabor de "desabafo adolescente". A letra é uma afirmação de independência de uma adolescente ao seu pai. Nada mais adequado já que a público da Madonna nos anos 80 era formado por garotas de 16 anos. Nada de muito anormal. O problema é que nem todas as garotinhas que resolveram fugir com seus namorados para terem suas próprias famílias se deram tão bem na vida. De qualquer forma essa é uma canção pop teen. O ritmo é muito bom e nostálgico. Bons tempos - você pensará!

Desse disco a minha canção preferida é a que dá título ao álbum. "True Blue" parece uma melodia saída de algum compacto de Buddy Holly. Uma delícia. O clipe serviu para que Madonna adotasse um visual a la Marilyn Monroe, algo que sempre achei muito adequado. Ambas inclusive tinham mais em comum do que muitos pensavam. Também sempre considerei a imagem de Madonna dançando como uma pin-up dos anos 50 um verdadeiro ícone da música e do nascimento dos videoclips. A letra é bobinha, para não fundir a cabecinha das fãs, mas tudo bem. Esse é um daqueles pops que ficaram para sempre na cabeça de quem viveu os anos 80.

O disco também é cheio de bobagens que não sobreviveram ao tempo. "White Head" é um desses momentos absurdamente datados. Cheio de sintetizadores, com uma parte falada - como se um filme estivesse sendo exibido ao fundo - a canção é um exemplo de como o tempo arrasa certas canções quando elas adotam instrumentos e efeitos sonoros que com o tempo ficam completamente ultrapassados e fora de moda. "Love Makes the World Go Round" também ficou velha, mas seu ritmo latino a salvou da mediocridade total. Vale pelo refrão bem alto astral. Madonna, que nunca foi boba, sabia como levantar uma pista de dança.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O Estranho Casamento de John e Yoko

Recentemente tive acessos a alguns livros biográficos que revelam os detalhes do estranho casamento entre John e Yoko. Existia um casamento de fachada, para ser exibido ao público e outro bem estranho, privado, segundo esses autores. Tomando como depoimento os relatos de pessoas próximas ao casal como empregados, amigos e até mesmo a astróloga e numeróloga preferida de Yoko podemos tecer um retrato desse casamento fora do comum.

Havia um problema com drogas por parte de John Lennon. Ele havia se viciado em heroína, uma droga realmente devastadora. Seu abuso levou Lennon a um estado lastimável, onde ele não conseguia mais produzir, nem compor nada. A relação entre o casal era tensa dentro de sua esfera privada. Segundo Peter Doggett, autor do livro "A Batalha pela Alma dos Beatles", Yoko Ono não gostava de sexo, pois em sua visão feminista achava que essa era uma invasão ao seu corpo, uma atitude praticamente desrespeitosa. Isso levava John à loucura, procurando por prostitutas de luxo ou então tentando seduzir outras mulheres na presença de Yoko, para provocar ciúmes nela, para quem sabe assim conseguir levá-la para a cama. Quase nunca dava certo!

Outro fato perturbador é que Lennon tinha uma dependência absurda de Yoko. Dependência em nível psicológico até. Quando sua esposa assumia todo o controle o ex-Beatle ficava completamente isolado, sem ver ninguém de fora. Para Doggett isso era reflexo do fato de que Lennon sempre vivera com mulheres de personalidades fortes, como sua tia Mimi, assim ele se sentia melhor com uma mulher que o dominasse em todos os aspectos de sua vida. Era algo muito próximo a uma submissão total. Por essa razão também John passou anos sem ver seu filho Julian. Só o fez quando Yoko deu a devida autorização.

Não seria por outra explicação que quando se separou de Yoko Ono na primeira metade dos anos 70 (período que John se referia como "O fim de semana perdido") ele voltou a se relacionar novamente com os velhos amigos, se tornou sociável, chegou inclusive a cogitar seriamente uma volta com os demais parceiros, ressuscitando os Beatles. Porém quando Yoko o chamou de volta ele voltou a se desligar de tudo - não quis mais saber de discos, shows ou aproximações com seus ex companheiros de banda. A vida voltava para o isolamento completo, para a reclusão total, sob ordens estritas de Yoko Ono.

Pablo Aluísio.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Paul McCartney - The Man / Sweetest Little Show

"The Man" foi a outra canção feita em parceria com Michael Jackson. Paul estava bem à vontade e animado por trabalhar ao lado do cantor mais famoso do mundo na época, mas a amizade teve um fim precoce. Michael Jackson, sem avisar a Paul, lhe passou uma rasteira, comprando todo o catálogo das canções dos Beatles, justamente em um período em que Paul se preparava financeiramente para ele mesmo adquirir as canções que havia escrito ao lado de John Lennon.

Isso significou o fim da aproximação entre Paul e Michael. Nunca mais se falaram novamente. Uma pena porque pelo menos artisticamente eles pareciam dar muito certo. Basta ouvir essa balada "The Man", um primor pop que tocou muito nas rádios da época. Tem um refrão pegajoso, um bom arranjo instrumental e aquela vocação para se tornar hit nas rádios (coisa que a música realmente se tornou assim que foi lançada).

Já "Sweetest Little Show" se sobressai pelos bons arranjos acústicos. É interessante que Paul ao trabalhar ao lado de George Martin sempre procurava por bons materiais, uma vez que o famoso produtor só aceitava trabalhar tendo total poder de veto, ou seja, Martin podia rejeitar qualquer composição que Paul trouxesse para o estúdio caso ele entendesse que não era muito boa. Claro que também com os anos o relacionamento entre eles foi se desgastando justamente por isso.

Paul era tão dominador e controlador quanto George Martin. O próprio George Harrison em vários ocasiões acusou Paul de ser um arrogante prepotente dentro dos estúdios, sempre impondo suas escolhas aos outros. Embora respeitasse muito George Martin pelo que ele havia feito pelos Beatles no começo da carreira, ele agora não parecia mais disposto a ouvir um não de seu produtor. Por essa razão também essa música acabou sendo uma das últimas parcerias entre eles. Paul ficou possesso pois George Martin quase a tirou do disco "Pipes of Peace" por ser "Banal demais". Imaginem o ataque de raiva de Paul, o controlador, ao ouvir esse tipo de crítica!

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Galeria de Imagens: Paul McCartney / John Lennon / Chuck Berry


Foto 1: Paul McCartney em estúdio gravando mais um álbum de sua carreira solo. Paul foi o mais bem sucedido ex-Beatle após a separação do grupo. Ele formou seu próprio conjunto chamado Wings e voltou a fazer turnês. Seu ex-parceiro Denny Laine recordaria essa época anos depois dizendo: "Paul levava muito tempo para gravar um novo disco. A razão? Ele estava fumando maconha demais no estúdio".
Foto 2: John Lennon na época das filmagens do filme "Help!". Sobre esses tempos John iria relembrar depois: "Eu estava totalmente perdido. Gordo e perdido. Os Beatles estavam usando drogas demais, cheirando cocaína no café da manhã. Tenho poucas lembranças por causa disso. Era uma loucura total!"
Foto 3: Chuck Berry ainda no começo da carreira. Ele diria depois que pouco sobrou de seus primeiros anos. Em entrevista Berry recordou: "Todos me roubaram. Meu empresário, os donos das gravadoras, as editoras de música, minhas ex-esposas,  meus parentes! O dinheiro que ganhei no auge da minha carreira foi todo roubado! Assim eu tive que continuar trabalhando para não morrer de fome!"

Pablo Aluísio.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Elvis Presley - Promised Land Outtakes

Elvis Presley - Promised Land Outtakes
O lançamento das sessões de gravação do álbum "Promised Land" trouxe curiosidades interessantes e divertidas para os fãs de Elvis. Algumas faixas como o ensaio de "Love Song Of The Year" mostram como Elvis estava se divertindo nos estúdios. Essa canção em particular tem uma das melodias mais melancólicas de toda a discografia do cantor, mas quem disse que ele em algum momento a leva à sério nesse registro? Elvis brinca o tempo todo, tirando onda com a letra, com seu grupo vocal de apoio, com a banda, com tudo. Esse foi um ensaio bem descompromissado, que Elvis aproveitou para brincar, rir e se divertir ao máximo.

O mesmo acontece com a faixa seguinte "Thinking About You" onde Elvis começa os vocais imitando a voz do coelho Pernalonga. Não demora muito e tudo desbanca para a pura zoeira, principalmente quando Elvis muda o estilo da música, virando um blues bem sem noção! Na verdade Elvis apenas passa a letra, e o grau de insanidade vai às alturas quando ele começa a cantar do nada um refrão de uma canção de natal! Estranho, mas divertido, no final das contas. Depois todos tentam entrar no espírito certo da música, tentando levar à sério dessa vez. Começa assim o take 3, praticamente perfeito. Essa versão inclusive tem uma suavidade e uma levada muito boa, poderia até vir a se tornar a versão oficial se Elvis não cometesse pequenos deslizes pelo meio do caminho.

Eu sempre gostei muito do country old school "Your Love's Been A Long Time Coming". Nesse CD temos a oportunidade de ouvir várias versões. Algumas começam muito bem, mas acabam dando errado por coisas que acontecem no estúdio. O take 2 começa de forma perfeita, mas alguém deixa cair algo bem no meio da gravação, fazendo com que Elvis interrompa sua interpretação! O take 3 é bem melhor. Nesse podemos ouvir como mais nitidez a segunda voz de apoio do vocalista de Elvis, algo que não acontece com a versão oficial do álbum original. Elvis estava pesadão na época, mas isso em nada atrapalhava sua performance que considero acima da média. Esse take só se estraga no finalzinho quando Elvis resolve brincar novamente, colocando tudo a perder!

O take 2 de "Promised Land" presente nesse CD é excelente, inclusive com uma ótima introdução de bateria que ficou fora da versão oficial. O pique é um pouco menos intenso em relação à master, Elvis parece ainda estar se familiarizando com a letra de Chuck Berry, algo normal de acontecer. Ele inclusive chega a se perder um pouco pelo meio do caminho, mas nada muito fora do normal. James Burton, como sempre arrasa nesse registro. Excelente guitarrista. "Mr Songman" é de uma beleza incrível. Alguém toca órgão no começo da gravação - Elvis fica em silêncio, só ouvindo. Depois pergunta de forma divertida "Ei cara, onde você está indo?". Depois troca algumas piadas com as vocalistas. Esse registro é ótimo porque mostra parte dos bastidores das sessões, com Elvis sempre muito bem humorado. A vocalização surge praticamente perfeita. Essa canção tem uma melodia maravilhosa. Pura beleza em forma de notas musicais.

Pablo Aluísio.

sábado, 14 de janeiro de 2017

George Harrison - Dark Horse

Por volta de 1974 George Harrison resolveu criar seu próprio selo ao qual chamou de Dark Horse. Ele não aguentava mais a Apple, seus problemas financeiros, seus processos judiciais sem fim e as brigas que giravam em torno do selo dos Beatles. Era demais para sua cabeça. A Apple era um desastre sem precedentes, mal administrada, mal gerida, com acusações de roubo para todos os lados, gastos com advogados, confusões jurídicas na Inglaterra e nos Estados Unidos. Nada poderia ser mais desastroso.

Com a Dark Horse George queria ter mais controle sobre suas músicas. Ele imediatamente gravou um disco, com o nome de seu novo selo musical, e saiu em turnê, fazendo vários shows ao vivo. O fantasma dos Beatles porém não pareciam deixar George em paz. Durante os concertos ele se recusou a cantar "Something" e outras canções do grupo e isso irritou os fãs e a crítica.

As coisas foram ficando mais tensas até que George perdeu a calma durante uma coletiva de imprensa. Cansado de tantas perguntas sobre a volta dos Beatles o sempre ponderado Harrison acabou perdendo sua paciência. Ele disse, em tom de raiva: "Eu não quero voltar a tocar com os Beatles. Eu nem acho que eles eram tão bons como dizem. Hoje em dia isso tudo é passado. Eu faria parte de qualquer grupo de rock com John Lennon, mas não com Paul McCartney. Ele é prepotente e arrogante. Não quero voltar a tocar com Paul! Os que querem a volta dos Beatles, por favor, comprem os discos dos Wings. Eu não quero voltar para o passado! Se vocês querem, o problema é de vocês!".

Paul reagiu às criticas de George e disse que não concordava com ele. "Os Beatles não eram ruins, como George quis dizer, eles não eram apenas muito bons, eles eram excelentes!". A turnê continuou e George foi alvo de novas críticas. Ele foi criticado por insistir demais na doutrinação de sua religião em suas apresentações, trocando as letras originais, colocando mensagens da religião oriental que seguia. As pessoas queriam se divertir, não ver um sujeito querendo impor sua visão religião aos outros. Ninguém queria ouvir sermões. George estava ficando chato demais para a maioria do público. Também colocava músicos indianos para abrir suas apresentações. Esses shows de abertura eram longos e aborrecidos para o público ocidental. A má receptividade irritou ainda mais George. Ele queria todos na sua onda de Hare Krishna, mas ninguém parecia disposto a embarcar em suas egotrips religiosas.

Pablo Aluísio.