quarta-feira, 22 de março de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 10

Para que a Apple pudesse sobreviver os Beatles tiveram que morrer. Um aspecto curioso sobre o fim do grupo de rock mais famoso do mundo é que a empresa criada e idealizada por John Lennon conseguiu sobreviver ao fim do conjunto pelo qual foi criada. Após a dissolução de fato dos Beatles eles começaram uma ciranda de processos que duraria praticamente toda a década de 1970. No centro de todos esses processos estava justamente e luta pelo poder dentro da Apple.

Quando essa empresa foi bolada por John Lennon ele queria que esse novo selo musical fosse aberto a qualquer pessoa de talento. Não seria mais preciso implorar para gravar um disco ou fazer alguma gravação. A ideia de John foi realmente boa, só que ninguém quis colocá-la em prática. Nenhum dos Beatles (talvez com exceção de Paul) quis realmente se envolver no dia a dia na empresa, administrá-la e gerir a imensa soma de dinheiro que circulava em seus balancetes.

O descaso imperou durante longos anos na Apple, até que no final dos anos 70 todos estavam cansados de tantas brigas judiciais. Ao invés de liquidar a Apple, dando a cada um dos ex-Beatles sua fatia do bolo, acabou-se optando por algo mais racional. A Apple não seria mais extinta e fechada. Ao contrário disso o selo continuaria a administrar o legado dos Beatles, mesmo que eles estivessem separados. O interesse nos Beatles nunca cessou. Ao contrário do que muitos pensavam os anos só consolidaram ainda mais a obra da banda. Os discos foram sendo relançados ao longo dos anos, com excelentes resultados comerciais. CDs, filmes, especiais de TV, tudo ainda estava de pé. E para administrar tudo, lá estava a Apple novamente no centro das atenções.

A Apple nasceu bagunçada e desorganizada, com aquele velho sonho do flower power que jamais daria certo dentro de uma corporação. A partir dos anos 80 porém a empresa começou a ser bem administrada, com a nomeação de executivos de negócios para gerenciá-la, tudo resultando em ótimos resultados financeiros. Paul, Ringo, George e Yoko (que herdou a parte de John), continuaram sócios e donos da Apple. O bom senso, que nunca havia prevalecido na época dos Beatles, finalmente tomou conta de todos. Hoje em dia a Apple ainda mantém o controle sobre os lançamentos dos Beatles no mercado, provando que mesmo com todos os problemas conseguiu resistir ao teste do tempo. No final de tudo o desastre da Apple levou os Beatles ao seu fim, mas paradoxalmente coube à mesma empresa manter viva a chama do maior grupo de rock da história.

Pablo Aluísio.

sábado, 18 de março de 2017

Paul McCartney - Through Our Love / Tug Of Peace

Embora, como sempre, tenha seus detratores, o fato é que o álbum "Pipes of Peace" também tem momentos muito bons, canções inegavelmente bem escritas. A música "Through Our Love" selecionada por Paul para fechar o disco, tem uma melodia belíssima e um maravilhoso arranjo. Aqui Paul realmente trabalhou duro ao lado do produtor e maestro George Martin para lapidar cada nuance, cada nota.

A letra, despudoradamente romântica é quase uma carta de amor de Paul (obviamente para Linda) para deixar as coisas sem importância para trás, não se perdendo mais tempo com elas. Em reflexão Paul admite que já perdeu tempo demais em coisas sem a menor importância. O que importa no final de tudo é realmente dar o amor para a pessoa que se ama, nada mais. Enfim, uma bela melodia embalada por uma letra bem articulada, honesta, cheia de sentimentos. Paul em sua essência.

 "Tug Of Peace", por sua vez, é o que gosto de chamar de canção link! O que exatamente significa isso? Essencialmente é uma faixa de ligação com o disco anterior, "Tug of War". Quase que puramente instrumental - com um pequeno refrão por um coro que parece ter saído de algum álbum dos Wings - essa faixa é apenas uma espécie de gravação experimental de Paul no disco. Afinal os fãs dos Beatles pensavam que apenas John Lennon e Yoko Ono podiam se dar ao prazer de gravar faixas assim? Porém ser experimental era obviamente pouco para Paul McCartney. Assim o ex-Beatle escreveu alguns belos arranjos para solos de sua guitarra Gibson, que atravessam praticamente toda a gravação. Uma canção um pouco abaixo das demais presentes nesse disco, mas certamente uma das mais interessantes do ponto de vista puramente musical. Paul sendo um pouco Lennon, para variar.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 9

Um fato pouco conhecido dos fãs dos Beatles é que nos últimos momentos da banda houve uma derradeira tentativa de salvar os Beatles. Aconselhado por Allen Klein, John Lennon resolveu fazer um último esforço para ressuscitar o grupo. Uma sessão de gravação foi marcada nos estúdios de Abbey Road. George e Ringo confirmaram sua presença. Então John ligou para Paul informando a sessão, dizendo: "Vamos gravar na sexta. Estaremos esperando por você!". Paul não confirmou nada, ficou em silêncio.

No dia marcado todos os três Beatles compareceram. A intenção era gravar um novo single dos Beatles. Seria o primeiro lançamento deles após o lançamento do álbum "Let It Be". Com vinte minutos de atraso John adentrou o Abbey Road. Encontrou George e Ringo na sala de controle. George Martin também estava lá, mas Paul... jamais apareceu! Ringo ainda perguntou aos companheiros de grupo: "Paul não virá, vamos gravar alguma coisa ou não?". Certamente os Beatles poderiam seguir em frente sem Paul. Várias sessões nos últimos tempos tinham acontecido sem um ou até mesmo dois Beatles. Aquela porém era uma sessão diferente. Era uma tentativa de manter os Beatles unidos. Tudo fracassou.

John não ficou magoado com Paul, ficou com raiva! Poucos dias depois ele resolveu dar uma entrevista para uma famosa revista de música americana e então abriram-se as portas do inferno. John Lennon deixou sua imagem de pacifista de lado e como uma metralhadora giratória disparou para todos os lados. Acusou Paul de tudo. Disse que McCartney dominava os demais Beatles, que só suas músicas ganhavam destaque nos discos do grupo, que ele boicotava as composições dos demais colegas, que ele tratava George e Ringo como seus músicos de apoio, como empregados. Pior do que isso, perguntado sobre o primeiro disco solo de seu ex-companheiro, John foi taxativo: "O disco de Paul é um lixo!". Nem o prestativo George Martin escapou da ira de John. Ele ofendeu o talentoso maestro, que tanto havia feito pelos Beatles por todos aqueles anos. Martin jurou que nunca mais trabalharia ao lado de Lennon em sua vida.

Paul respondeu dizendo que John havia sido um babaca na entrevista. Aliás John havia sido um babaca em inúmeras ocasiões. Paul queria recomeçar, sem os Beatles, sem a Apple, sem Yoko e principalmente sem Allen Klein. Em sua fazenda isolada na Escócia Paul também explicou que John jamais o havia perdoado pelo fato dele ter barrado a entrada de Yoko Ono nos Beatles. Isso mesmo, durante as gravações do "White Album", John havia pedido apoio de todos para que Yoko Ono se tornasse parte dos Beatles. Paul disse não e então uma guerra interna começou para valer entre eles. E esse clima de tensão entre os dois acabou explodindo de vez quando John deu a sua infame entrevista em Nova Iorque. Os tempos sombrios tinham finalmente chegado.

Pablo Aluísio.

sábado, 11 de março de 2017

Dean Martin - Memories Are Made Of This

Em plena explosão do rock americano em meados dos anos 50, eis que surge nas paradas um grande sucesso romântico cantado por Dean Martin. A bonita e singela "Memories Are Made Of This" acabou derrubando vários roqueiros das primeiras posições, chegando ao número 1, ficando por lá por cinco semanas! Um feito e tanto! Dean Martin conseguiu inúmeras vezes essa proeza. É bem lembrado que foi ele também quem derrubou os Beatles do Top 1 em 1964 com sua "Everybody Loves Somebody", o que fez com que tirasse uma enorme onda com esse feito! Em pleno auge da Beatlemania lá estava o velho e bom Dean Martin ocupando seu espaço. Pois é, Dean Martin era realmente bom de vendas no mercado de singles.

Essa canção tem um swing bem peculiar, poderia inclusive ter feito parte de qualquer disco de Frank Sinatra. Aliás falando em comparações é interessante dizer que Martin não tinha uma voz mais bonita do que a de Sinatra, porém era bem mais forte e impressionante. Frank Sinatra em termos de voz ganhava em beleza, ao que Dean Martin o superava em potência e poderio vocal. Um detalhe sobre essa canção que poucos sabem é que a primeira versão a sair em disco nos Estados Unidos foi gravada pela orquestra de Ray Conniff. Essa primeira gravação tem uma suntuosidade que Martin dispensou em sua versão, já que ele procurava criar um clima de intimidade, romantismo. Já o maestro Ray procurava pela explosão sonora. Outro fato interessante para os fãs do cantor: com o sucesso do single a gravadora Capitol lançou um EP com mais duas faixas, que também venderam muito bem. Então é isso. Entre os grandes sucessos musicais da parada da Billboard de 1956 lá estava o romântico Dean Martin se sobressaindo entre um oceano de roqueiros rebeldes. O romantismo sempre se faz presente, não importando o momento.

Dean Martin - Memories Are Made Of This (1956)
Memories Are Made Of This
Change of Heart
I Like Them All (EP)
Ridin Into Love (EP)

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 8

Uma das coisas que Paul lamentaria após o fim dos Beatles foi a forma como ele tratou Ringo Starr quando esse o visitou em sua casa em Londres para convencê-lo a segurar o lançamento de seu primeiro disco solo até que o novo disco dos Beatles, "Let It Be" finalmente chegasse nas lojas. Nessa ocasião Paul tratou muito mal Ringo, o xingando de todos os palavrões possíveis, o expulsando de sua casa, quase a pontapés! Eles jamais brigaram daquele jeito, mesmo após tantos anos de convívio nos Beatles.

"Foi uma vergonha!" - admitiria Paul anos depois. Ringo estava na casa de Paul para tentar convencer ele que Klein era o melhor nome para se tornar o empresário dos Beatles. "Eu nunca vou aceitar ele!" - gritou Paul. É interessante que anos depois Paul tenha admitido em entrevista que naquela época sentiu-se numa situação clara de "Eu contra eles", o que não deixava de ser verdade, mas que também tinha um pouco de paranoia envolvida.

Decidido a abandonar os Beatles, Paul escreveu uma longa carta para John Lennon, explicando sua visão do assunto. Ao invés de responder com outra longa carta, Lennon simplesmente mandou como resposta uma foto sua, com um balãozinho de quadrinhos onde ele perguntava: "Basta dizer, onde, como e porquê". Era o velho besteirol Lenniano que Paul conhecia muito bem, desde os tempos do colégio quando eles se conheceram. De fato, nos últimos dias dos Beatles houve uma clara divisão na banda, de um lado Paul, do outro John, George e Ringo. Obviamente os três quartos restantes dos Beatles eram comandados por Lennon, capitaneado por ele. Os Beatles estavam rachados.

Durante uma entrevista John Lennon finalmente resumiu a questão ao dizer as frases: "Os Beatles estão mortos! Viva os Beatles" e a mais conhecida lápide da história sobre o fim de uma banda: "O Sonho Acabou!". Na verdade John Lennon sabia que não haveria volta. Um empresário de Nova Iorque resolveu oferecer uma fortuna por apenas um show dos Beatles na cidade, no Madison Square Garden, mas Lennon desconsiderou completamente a questão. "Dane-se, os Beatles não existem mais. Eu não sou mais aquele cara de terninho com uma guitarra cantando para um bando de garotas gritando! Isso é bobagem! Hoje eu sou um outro homem. Os Beatles jamais vão voltar simplesmente porque eles não existem mais. Eu não tenho mais 20 anos de idade. Não seria legal trazer Elvis de volta aos seus primeiros anos? Seria, mas é impossível. Isso é passado, se conformem!" - concluiu de forma avassaladora John, com seu conhecido pragmatismo ácido.

Pablo Aluísio.

sábado, 4 de março de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 7

O fim dos Beatles significou também o fim da amizade entre John, Paul e George. Apenas Ringo procurou manter a velha aproximação com seus ex-colegas de banda. Paul e John ficaram anos sem se falar. Só depois que houve uma trégua nos processos judiciais é que John e Paul ensaiaram uma rápida reaproximação. Sempre que ia até Nova Iorque Paul fazia esforços para encontrar John, indo em seu apartamento, mas quase nunca era muito bem sucedido. John não queria ter a mesma amizade de antes. Ele mesmo chegou a declarar em entrevistas que após o fim dos anos de escola era natural deixar os antigos amigos de lado, caso contrário isso significaria que você ainda não havia conseguido sair da adolescência. A coisa de ter um bando, nas próprias palavras de John, havia chegado ao fim.

A relação entre John e George era ainda mais tensa. Embora eles tenham chegado a tocar juntos novamente, John nunca mais se sentiria à vontade ao lado de George. Para Lennon o ex-beatle tinha uma espécie de mágoa misturada com decepção em relação a ele, tudo porque segundo John, ele havia ido embora de casa (dos Beatles). George tinha uma relação de pupilo e mestre em relação a John desde o começo do grupo. Ele era muito mais jovem do que John e o líder dos Beatles nunca o havia levado muito à sério, mesmo após tantos anos. "George vivia atrás de mim, me admirando e procurando que eu o ensinasse algo sobre a vida! Eu não quero ser mestre de ninguém!" - declarou Lennon, resumindo a questão.

Além disso o próprio John havia ficado decepcionado com a biografia de George que em sua visão havia propositalmente apagado sua influência e ajuda após anos de apoio e incentivo dentro dos Beatles. Para John, George não passava de um ingrato, um sujeitinho que não lhe deu o reconhecimento devido após o fim dos Beatles. Depois da separação John e George poucas vezes se viram pessoalmente. Geralmente George tentava entrar em contato com John, inclusive fazendo ligações para ele, mas John não tinha muita vontade de encontrá-lo novamente ou manter uma amizade próxima. John encarava George como o garoto que Paul havia trazido para os Beatles anos antes. Nada muito além disso.

E se John e George não se davam mais muito bem o pior acontecia entre George e Paul. Harrison criou uma antipatia e uma aversão absoluta em relação a McCartney. Em várias ocasiões ele declarou que jamais gostaria de trabalhar novamente ao lado de Paul. Claro que anos depois engoliria todas as suas opiniões ao voltar a tocar ao lado de Paul em "Anthology", mas isso em nada amenizou o fato dele nunca mais sentir prazer ao gravar ao lado do ex-companheiro dos tempos dos Beatles. Nesse meio de tantas inimizades, o único que conseguiu manter um companheirismo com todos foi realmente Ringo. Ele, sempre com espírito conciliador, acabou sendo o único elo de ligação real entre os Beatles. Todo o resto se transformou em raiva, mágoa, decepção e indiferença.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Paul McCartney - So Bad / Keep Under Cover

Mais duas canções do álbum "Pipes of Peace" de 1983. Um dos problemas desse disco é que ele foi lançado em um espaço de tempo muito curto em relação ao disco anterior, "Tug Of War". Isso fez com que Paul utilizasse material que havia sido descartado nos trabalhos das sessões de 1982.

Um exemplo disso vem em "Keep Under Cover" que fazia parte da primeira lista de canções que deveriam fazer parte de "Tug of War". Como foi descartada, Paul resolveu colocá-la aqui nesse LP. Ao lado de George Martin, Paul criou um arranjo que saísse do comum, ao invés do tradicional piano ele resolveu acrescentar belos solos de cravo, de forma bem discreta, ao fundo. A letra foi escrita na fazenda de Paul na Escócia e tem tudo a ver com a vida cotidiana por lá. Para torná-la mais comercialmente viável Paul colocou alguns clichês, versos de amor bem banais, para falar a verdade. Apesar disso (ou em razão disso) a música funciona muito bem do ponto de vista harmônico.

A balada "So Bad" soa bem melhor. Mostra claramente o tipo de composição que Paul sempre soube fazer muito bem. Baladas românticas, sem medo de soarem piegas ou bregas. A música tem belos versos como "Há uma dor, dentro de meu coração, Você significa muito para mim, Garota, Eu te amo, Garota, Eu te amo tanto!" - versos mais do que simples, mas que acabam tocando qualquer um que esteja apaixonado. Paul sempre soube criar grandes músicas usando versos batidos, isso é bem verdade, mas que são atemporais, nunca perdendo a essência de sua mensagem de amor. Paul sempre foi um romântico incorrigível, vamos ser bem sinceros e isso talvez tenha sido o segredo de seu sucesso como Beatle e depois como artista solo. O simples, muitas vezes, funciona mais do que o complexo, o rebuscado. 

Pablo Aluísio. 

sábado, 25 de fevereiro de 2017

John Lennon - Imagine (1971)

John Lennon - Imagine
Algumas músicas definem toda a carreira de um artista. De certa forma é justamente isso que acontece com "Imagine", a música símbolo de John Lennon. De estrutura bem elaborada, a letra transmite com bastante êxito um resumo (diria até mesmo didático) do pensamento do ex beatle. Obviamente a mensagem do cantor e compositor pode soar simplista demais frente aos problemas da sociedade, porém temos que levar em conta que se trata da filosofia de um poeta, que não era (e para falar nem devia) tentar solucionar os conflitos da humanidade de forma analítica e pormenorizada. De forma sutil Lennon investe contra os Estados (e sua inerente necessidade de lutar pelas fronteiras nacionais), a religião (e seus eternos conflitos ideológicos e dogmáticos) e propõe uma espécie de sociedade livre de preconceitos e divisões. Escapismo poético vazio? Pode até ser, mas até que funciona bem, até mesmo nos dias atuais. Interessante notar que o arranjo funciona muito bem pois a canção foi gravada tal como composta (basicamente voz e piano - com o uso de bateria acrescida posteriormente, além de uma singela e discreta orquestração ao fundo que foi muito bem colocada não tirando a atenção do ouvinte da simplicidade da canção e arranjo). Sem dúvida um bom trabalho do produtor Phil Spector (curiosamente Yoko Ono também foi creditada como "produtora" do LP).

Embora "Imagine" tenha entrado para a cultura popular de forma definitiva o resto do disco não parece ter alcançado o mesmo alcance. "Imagine" é aquele tipo de álbum com uma faixa de trabalho extremamente superiora ao resto do conjunto. Um ícone pop seguido por coadjuvantes sem grande brilho próprio. Analisando friamente o resto do disco chegamos facilmente na conclusão que apenas "Jealous Guy" conseguiu se sobressair nas paradas e ser conhecida do grande público (embora hoje em bem menor escala). O resto das músicas não conseguiu abrir seu próprio espaço caindo em um (até injusto) esquecimento musical. O incrível é que o LP ficou muitos anos em catálogo (até mesmo no Brasil) mas isso definitivamente não ajudou na popularização das demais canções. Só a título de comparação podemos citar "Plastic Ono Band", um álbum bem menos popular, que conseguiu no mínimo destacar 3 faixas fortes (Mother, God e Working Class Hero) enquanto "Imagine", em seu conjunto, só conseguiu mesmo se sobressair em duas delas.

Dentre as faixas remanescentes podemos destacar algumas boas canções e outras nem tanto. Entre as ruins temos "I Don´t Wanna Be a Soldier" cuja letra tem sua importância mas que é infelizmente embalada por uma melodia enjoativa e derivativa que não leva à canção a lugar nenhum. Lennon aqui entra em um redemoinho melódico, se perdendo completamente dentro dele, não conseguindo sair mais. Por isso essa é certamente uma das músicas menos inspiradas do ex beatle em sua carreira solo. As baladas são bem melhores. "Oh My Love" é sinceramente bem conduzida e tem uma melodia linda, tudo resultando em um belo momento do disco. Um pouco menos relevante está "How?" que em certos momentos parece entrar numa encruzilhada melódica, embora felizmente tenha sido salva por causa de seu bom refrão. Yoko Ono também ganha sua música de homenagem, o countryzinho "Oh Yoko", simples mas agradável em sua pegada despretensiosa de contagiante felicidade. Nesse conjunto de coadjuvantes o grande erro de Lennon realmente é a faixa "How do You Sleep?", uma música feita exclusivamente para provocar e ofender seu ex colega de banda, Paul McCartney. Além de feia (e mal produzida) a música destoa completamente do tema proposto da faixa título, pois ao mesmo tempo em que prega a paz em "Imagine" Lennon solta farpas em relação ao ex parceiro nessa letra cheia de ressentimentos. Como conciliar tamanha contradição? Bom, entender isso é como tentar entender a personalidade de Lennon, algo nem sempre fácil de decifrar.

Imagine (John Lennon) - Certa vez Paul McCartney disse que John Lennon era um gênio, mas não um santo. Ele tinha toda a razão do mundo. John Lennon sabia como poucos escrever e compor grandes músicas, realmente maravilhosas, mas passava longe de ser uma alma pura, santificada. Em muitos momentos ele poderia soar completamente hipócrita. Veja o caso de "Imagine" considerada por muitos como a sua grande música na carreira após o fim dos Beatles. Em frases muito bem escritas John propõe um mundo sem fronteiras, sem propriedades e até mesmo sem religiões. Em determinado trecho John canta a frase "Imagine não existir posses, sem necessidade de ganância, Imagine todas as pessoas compartilhando...". Ok, nada de errado, tudo muito bonito a não ser pelo fato de que Lennon era proprietário de fazendas enormes nos Estados Unidos com centenas de milhares de cabeças de gado, onde o acesso de pessoas estranhas era completamente proibido. E o que dizer de seus vários apartamentos de luxo na parte mais cara de Nova Iorque? Não há nenhum sinal de que ele um dia os tenha compartilhado com ninguém, a não ser Yoko Ono e seu filho. "Imagine não existir nenhuma religião", afirma a letra em outro trecho. Ora, John foi fiel seguidor do Hinduísmo, depois se aproximou bastante do Budismo a ponto de se auto declarar Zen Budista em uma de suas últimas entrevistas. Suas frases contra o cristianismo também lhe trouxe muitos problemas, demonstrando que o próprio John Lennon tinha alguns problemas com as religiões dos outros. Assim soa mais do que uma hipocrisia em falar algo nesse sentido e ao mesmo tempo usar do sentimento religioso das demais pessoas para atacá-las de alguma maneira. Além de contraditório é certamente uma grande hipocrisia. Mesmo assim a canção "Imagine" ainda é um belo momento de sua carreira. Embora em muitos aspectos ele fosse realmente um grande hipócrita o fato é que John continuava muito talentoso para compor letras e melodias maravilhosas. Como disse Paul ele poderia não ser um santo (e não era mesmo), mas pelo menos continuava a ser um gênio musical.

Crippled Inside (John Lennon) - "Crippled Inside" (literalmente "Aleijado por Dentro") cria uma imagem sobre a auto percepção de se estar emocionalmente abalado, doente da alma. Claro que nos dias atuais o uso da palavra "Crippled" (aleijado) iria despertar muitos protestos, por causa do mundo politicamente correto em que vivemos. Porém na época em que a música chegou no mercado isso não foi colocado em debate. Eu gosto bastante desses versos. São simples, diretos, possuem uma mensagem fácil de captar, até mesmo por quem não tem uma visão muito abstrata da vida sentimental. Basicamente Lennon afirma que não importa as diversas máscaras exteriores que você tente usar para esconder o que está sentindo por dentro, pois elas nunca vão funcionar. Não adiantaria assim colocar sua melhor roupa, usar seus melhores sapatos, arrumar seu cabelo, estampar o mais falso sorriso, nada disso iria importar no final das contas. Nada iria esconder o fato de que você estaria aleijado por dentro, em seu interior. John costumava dizer que não era um poeta com formação intelectual, pois não tinha estudado para isso. No fundo ele era apenas um artista popular que expressava da melhor forma possível aquilo que pensava e sentia. Essa canção, com sua mensagem sendo bem direta, é um exemplo perfeito do que ele quis dizer. John tinha realmente razão sobre isso.

Jealous Guy (John Lennon) - "Jealous Guy" chegou a ser lançada em single e de certo modo conseguiu uma boa resposta por parte de público e crítica. É interessante notar que Lennon, nessa fase solo de sua carreira, começou a escrever obsessivamente sobre si mesmo, seu mundo e seus relacionamentos. Obviamente ele estava perdidamente apaixonado pela artista plástica Yoko Ono e de certa forma ela acabou se tornando o tema principal de praticamente todas as suas composições. Musicalmente, em termos de arranjo, as músicas de Lennon em sua carreira solo eram econômicas. Nada dos arranjos bem elaborados da época dos Beatles. Afinal nem George Martin e nem Paul McCartney estavam ao seu lado para enriquecer melodicamente as gravações. Era um som mais cru. Assim o interessante é mesmo prestar atenção nas letras, todas, como disse, autorais. "Jealous Guy" é um grande pedido de desculpas para Yoko. Eles tiveram uma briga, John foi acusado de ser um cara ciumento e assim ele, reconhecendo seu erro, escreveu essa letra. A mensagem é bem direta, sem rodeios

It's So Hard (John Lennon) - Por fim a última canção do álbum composta por John foi a confessional "It's So Hard". Essa música trazia outra declaração bem pessoal do cantor, mostrando suas dificuldades de seguir em frente. Na época John tinha muitos problemas, o governo americano queria deportá-lo, a imprensa o ridicularizava, ele tinha conflitos com Yoko Ono e a Apple, a empresa dos Beatles, que deveria ser um sopro de vitalidade no mundo empresarial, tinha se tornado uma fonte de dores de cabeça, com muitos processos na justiça, desvios de dinheiro, histórias mal contadas e brigas pelo controle acionário. Tudo acabou sendo resumido na primeira estrofe da letra quando John escreveu: "Você tem que viver. Você tem que amar. Você tem que ser alguém. Você tem que se superar. Mas é tão difícil, é realmente difícil. Às vezes eu sinto vontade de desistir."

Don't Wanna Be A Soldier Mama I Don't Wanna Die (John Lennon) - Para não ficar tão feio para John, mais à frente no álbum ele encaixou a canção " I Don't Wanna Be A Soldier Mama, I Don't Wanna Die" cuja letra era clara e direta, como convinha a John na época. A música intitulada "Eu não quero ser um soldado, mãe, eu não quero morrer" era obviamente uma mensagem contra a Guerra do Vietnã que na época estava no auge, com milhares de militares americanos sendo enviados para as florestas asiáticas para morrerem em uma guerra que nem eles mesmos entendiam direito. O curioso é que inicialmente bem recebida pela crítica americana logo começaram as represálias contra John. O governo de Richard Nixon considerou a música uma clara ofensa aos valores patrióticos da nação. John, por ser inglês e não ter ainda o green card (que lhe daria a nacionalidade norte-americana) logo virou alvo de um processo de deportação. Era considerado uma persona non grata pelo governo Nixon. Parte da imprensa americana também se virou contra ele, chegando ao ponto de eleger Lennon "O Palhaço do Ano". Como tinha o espírito de brigar por aquilo que acreditava logo Lennon comprou a briga, dando origem a uma luta que durou anos para ter o direito de viver e morar nos Estados Unidos.

Give me Some Truth (John Lennon) - Já em "Give me Some Truth" John pedia um pouco de verdade. Não era novidade para ninguém que John estava farto das mentiras dos políticos, da imprensa, dos ricos e poderosos. Assim ele compôs essa canção pedindo, na verdade clamando, por um pouco de verdade no mundo. O estilo era novamente bem direto, sem meias palavras. Chamando os políticos de suínos, Lennon destroçava o poder de manipulação da verdade dentro da sociedade. Essa é uma das letras mais polêmicas de John em "Imagine", Nos versos finais ele não apenas pede pela verdade, mas também por dinheiro para comprar drogas e uma corda! (uma óbvia referência ao suicídio). Não é a toa que Kurt Cobain do Nirvana considerava essa letra uma das melhores de Lennon em sua discografia solo. Essa porém não foi a opinião da crítica inglesa da época de lançamento do disco. Para muitos Lennon havia ido longe demais... Mal sabiam eles o que estaria por vir nos anos seguintes...

Oh My Love (John Lennon) - Como era de praxe também não faltou outra exaltação a Yoko Ono em "Oh My Love". É curioso que havia uma dualidade bem escondida ao público em relação ao relacionamento entre John e Yoko. Para o público, em canções como essa, John passava a imagem de estar vivendo o maior amor romântico do século. Não era verdade. O caso amoroso entre ele e Yoko tinha muitos problemas. Tantos que poucos meses depois da gravação de canções como essa, Yoko simplesmente deixou John. Foi dar um tempo. Não aguentava mais o estilo de vida dele, sua personalidade irascível e seus comportamentos doentios (como o abuso de drogas como a famigerada heroína).

How Do You Sleep? (John Lennon) - John Lennon era um sujeito bem contraditório. No mesmo álbum em que ele lançou o clássico da paz "Imagine" ele resolveu incluir uma canção que de pacífica não tinha nada. "How Do You Sleep?" havia sido composta para afrontar e agredir seu ex-companheiro dos Beatles, Paul McCartney. Ambos estavam se processando, o clima não era bom, John e Paul trocavam farpas pela imprensa e assim Lennon resolveu destroçar o antigo colega em uma canção que tinha apenas um objetivo: falar mal de Paul. "How Do You Sleep?" é apenas isso. Uma longa e agressiva indireta (ou melhor dizendo, direta mesmo) mensagem contra Paul McCartney. E o lado que John resolveu atacar foi o profissional. Entre outras coisas Lennon colocou em sua letra que a única coisa boa que Paul havia feito em sua carreira musical havia sido a canção "Yesterday". Obviamente um absurdo e uma mentira, mas John não quis saber, partiu para o ataque, deixando sua mensagem de "Imagine" no vácuo! Afinal como alguém poderia pregar tanto pacifismo em uma faixa para depois destruir seu próprio amigo e companheiro de banda? No mínimo uma contradição.

How? (John Lennon) - Finalizando a análise do álbum "Imagine" de John Lennon vamos tecer alguns comentários sobre as demais canções do disco. Como se sabe Lennon quis com esse lançamento voltar a ser um artista comercialmente bem sucedido. Seus primeiros LPs venderam mal e a crítica também não gostou muito. Assim John queria provar para a indústria fonográfica que ele ainda podia ser um artista de sucesso. Mesmo tentando voltar ao topo John também não abriu mão de continuar sendo bem autoral e sincero nas letras. Em "How?" ele aproveitou para desfilar uma série de questionamento existenciais que tinha em sua mente. A letra abre justamente com uma indagação sobre os próprios rumos de sua vida. De forma aberta John perguntava: "Como eu posso seguir em frente quando não sei que caminho escolher?"

Oh Yoko! (John Lennon) - O álbum "Imagine" segue em frente com a faixa "Oh Yoko!". Bom, desnecessário comentar muito. O título é auto explicativo. É mais uma música feita em homenagem à diva suprema de Lennon, Yoko Ono. Esse romance não foi dos mais tranquilos. A imprensa britânica não gostava de Yoko que para eles era apenas mais uma japonesa esquisita e bizarra. Lennon, que era bom de briga, também comprou um atrito com jornalistas ingleses, defendendo Yoko sempre que possível. E assim foi também em seus álbuns. Uma das críticas que jornais ingleses tinham feito em relação a John é que ele se mostrava muito submisso e dependente de Yoko após se apaixonar por ela. Assim John fez uma letra que era ao mesmo tempo uma afirmação sobre isso e uma auto paródia. Nela John surge sempre chamando Yoko, não importando o que estivesse fazendo: no banho, fazendo a barba, no meio de uma nuvem, ele sempre chamaria por Yoko! Pois é...

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

James Brown - I Got You (I Feel Good)

Em 1965, em pleno auge da invasão britânica nas paradas americanas, chegou nas lojas o single "I Got You (I Feel Good)" de James Brown. Foi um sucesso espetacular! Realmente esse foi um artista diferente. James Brown conseguiu unir vários elementos da música norte-americana e quando todos pensavam que nada de novo surgiria no horizonte ele inovou! Misturando elementos do R&B, folk e soul, ele acabou criando algo único! O single, como era de se esperar, subiu como um foguete nas paradas, sendo até hoje a música mais conhecida da longa e produtiva carreira de Brown.

E para incendiar ainda mais as paradas o cantor criou uma coreografia própria para apresentar na TV americana. A partir daí Brown, com seu jeito único de dançar e cantar se tornou um dos maiores ícones da cultura negra dos Estados Unidos, sendo um dos artistas mais influentes da história! Michael Jackson? Ele em diversas entrevistas afirmou que um dos seus maiores ídolos era justamente James Brown, que unia a força de sua música com apresentações de palco memoráveis. O compacto chegou nas lojas em outubro de 1965 e ficou entre os mais vendidos por doze semanas, um marco, já que o single chegava nas lojas através de um pequeno selo chamado King. Houve problemas de distribuição por causa da grande demanda e procura nas lojas. Anos depois James Brown diria que mesmo nos momentos mais complicados de sua vida ele sempre podia contar com o dinheiro dos direitos autorais dessa música, que nunca saiu de cena, sendo usada em comerciais, trilhas sonoras de filmes e todos os tipos de produtos. Canção imortal é isso aí!

James Brown - I Got You (I Feel Good)
Lado A - I Got You (I Feel Good)
Lado B - I Can't Help It (I Just Do-Do-Do)

Pablo Aluísio. 

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Paul McCartney e os Wings - Parte 1

Os Beatles estavam destruídos. Por volta de 1969 Paul já sabia que o grupo não iria mais muito longe. Durante uma reunião na Apple (a empresa fundada pelo grupo) em Londres, Paul propôs que os Beatles tinham que voltar a fazer shows ao vivo. Ele lançou a proposta de fazer concertos em pequenos lugares, para pequenos públicos, talvez até mesmo usando outro nome, que não fosse Beatles. Era uma volta aos primeiros anos, para recuperar o prazer de tocar ao vivo.

A resposta de John Lennon para a proposta de Paul foi a pior possível. Ele encarou o colega de banda e disparou: "Eu acho que você está louco, Paul!". John não tinha a menor intenção de tocar ao vivo de novo com os Beatles. O mesmo acontecia em relação a George Harrison. O pior aconteceu depois quando Lennon e Harrison trocaram socos por causa de uma desavença de negócios. Era isso, os Beatles se odiavam, não queriam mais trabalhar uns com os outros e a chegada de um novo empresário, não aceito por Paul, acabou decretando o fim do conjunto. Paul anunciou publicamente que estava fora e com isso abriu-se uma caixa de Pandora, com inúmeros processos e brigas sem fim.

Paul McCartney sabia que mais cedo ou mais tarde ele teria que voltar para a estrada. Embora tenha ficado financeiramente bem no fim dos Beatles o fato é que ele perdeu muito dinheiro ao longo dos anos. Nem sequer tinha mais os direitos sobre as próprias músicas que havia escrito - algumas delas entre as mais populares do século. O empresário Allen Klein que havia sido contratado por John Lennon enfrentava acusações de que estava roubando os Beatles e a Apple. Foi tudo muito feio, muito trágico.

Paul não queria deixar os Beatles, para falar a verdade. Ele superou várias crises causadas pelos demais membros. Ringo, por exemplo, disse que ia deixar os Beatles ainda na época do White Album. Um dia ele simplesmente se levantou da bateria e foi embora. Só com muita diplomacia por parte de Paul ele decidiu voltar. George Harrison era um dos mais problemáticos. Ele não aceitava as sugestões de McCartney e se irritava com qualquer coisa, qualquer observação. Embora posasse como Hare Krishma, Harrison tinha uma personalidade extremamente difícil, era temperamental, tinha sempre uma frase mordaz para dizer e ofendia Paul diretamente. E John não ajudava em nada. Ele estava obcecado por Yoko Ono. Assim para Paul não sobrou outra alternativa do que pegar seu boné, ir embora e formar uma nova banda de rock. Ela já tinha até nome: Wings! Uma nova fase em sua carreira estava prestes a começar.

Pablo Aluísio. 

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 6

Derek Taylor, que trabalhou muitos anos com os Beatles, resumiu bem os bastidores do grupo: "Na Apple havia todo tipo de coisa, menos paz e amor". Era uma frase irônica, um sarcasmo, sobre a diferença entre a imagem pública dos Beatles e as brigas sem fim que caracterizavam o cotidiano dos integrantes da banda. Quando Paul McCartney saiu dos Beatles em 1970 a primeira coisa que ele fez foi fundar sua própria empresa, a MPL. A partir de então tudo o que se referia a sua carreira seria administrada única e exclusivamente por ele mesmo, sem a interferência de empresários ladrões e agentes corruptos. Paul havia aprendido muito com o desastre da Apple e usou aquilo como experiência profissional, algo que ele não queria mais repetir.

Já John, George e Ringo cometeram um erro fatal. Com a saída de Paul eles resolveram dar mais poder ainda ao empresário Allen Klein! John Lennon queria provar um ponto de vista para Paul, a de que Klein era realmente o nome certo para os Beatles. O problema é que ele não era. Em pouco tempo começaram a surgir denúncias de mal gerenciamento de Klein sobre os direitos dos Beatles. Ele foi acusado pela imprensa americana de ter ficado com a maior parte dos lucros do lançamento do álbum "Let It Be" nos Estados Unidos. Além disso havia forte indícios de que Klein estava vendendo para o mercado negro gravações inéditas da banda. Em poucas palavras: ele estava roubando os Beatles!

Paul McCartney obviamente se sentiu gratificado com tudo. Ele havia dito que Klein não era o nome certo para gerenciar os negócios dos Beatles e isso basicamente criou a crise que o fez abandonar o conjunto. John Lennon assim pagou caro por ter comprado essa briga. Em 1973 John cansado das histórias mal explicadas de Klein finalmente o demitiu. Lennon acreditava que o contrato do empresário havia chegado ao final e por isso não queria mais renová-lo. Klein alegou quebra de contrato e abriu processos milionários contra John, George, Ringo e Paul. Em relação a McCartney ele conseguiu se livrar da ação, principalmente ao provar nos tribunais que jamais havia assinado um documento considerado crucial na causa. John porém não teve a mesma sorte. Ele assinava tudo o que Klein colocava em sua frente. Acabou perdendo milhões de dólares por causa disso.

Já a empresa Apple, que os Beatles tinham fundado, continuou as atividades, embora a própria banda já não mais existisse. "Uma situação surreal!" - resumiu Neil Aspinall, que ficou à frente do selo após a explosão dos Beatles nos tribunais. A EMI porém não abriria mão do contrato que os Beatles havia assinado, cuja duração previa o lançamento de discos até 1975. A situação acabou sendo resolvida em acordos individuais, onde cada um membro da banda gravaria seus discos solos que iriam valer para o cumprimento do contrato. Era uma saída que acabou poupando os ex-Beatles de novos processos e novas dores de cabeça.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Frank Sinatra, JFK e a Máfia - Parte 1

Um dos aspectos mais curiosos da história de Frank Sinatra foi sua aproximação ao senador John Kennedy (futuro presidente dos Estados Unidos) e a ligação que ele acabou exercendo entre o clã de JFK e a máfia italiana durante a década de 1960. Inicialmente tudo foi fruto de uma série de coincidências que foram acontecendo. Não havia um plano por parte de Sinatra em aproximar a máfia de John Kennedy, nada disso, foi algo que apenas aconteceu.

O interesse de Sinatra em relação a Kennedy era algo natural de acontecer. O cantor sempre foi ligado ao Partido Democrata, sendo um eleitor e um partidário até bastante animado. Sinatra não tinha nenhuma razão para ser republicano, uma vez que ele nasceu em uma família de imigrantes, teve um começo difícil e não era um riquinho ou algo do tipo. Assim Sinatra se identificava basicamente com a classe trabalhadora.

O senador John Kennedy (que todos chamavam de Jack na intimidade) era um jovem político, representando uma brisa de inovação na saturada e envelhecida classe política americana. Assim que Sinatra conheceu Kennedy pessoalmente ele ficou animado para colaborar. Frank tinha mesmo uma forte convicção que JFK era a solução para os problemas do país, um homem que iria marcar para sempre caso conseguisse ganhar a eleição.

Sua opinião porém não era compartilhada por seus amigos mafiosos. A família Kennedy era velha conhecida da máfia. Os principais chefões conheciam bem o pai de JFK, considerado por eles como um velho escroque irlandês. Um homem que passava longe das ideias de Sinatra. O velho patriarca Kennedy havia inclusive se envolvido no contrabando de bebidas ilegais durante a Lei Seca. Ele passava longe de ser um exemplo para quem quer que seja. Depois de casar com a rica herdeira do banco Fitzgerald, ele obviamente ficou muito rico e deixou suas trambicagens de lado, mas a Máfia sabia muito bem de onde vinha Kennedy e seu passado. Assim não havia nenhuma surpresa sobre aquela família. O próprio John não era bem visto pela Cosa Nostra. O chefão Salvatore Giancana, por exemplo, costumava dizer que JFK era um verme, resumindo a questão numa frase: "Dê uma mulher a esse cara e ele fará o que você quiser!"

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 5

Em 1967 Paul McCartney comprou uma fazenda na Escócia. Ele comprou na planta, sem nunca ter colocado os pés lá. Só alguns meses depois Paul resolveu visitar o lugar ao lado de sua namorada Jane Asher. Realmente era uma região bem isolada, uma das propriedades rurais mais inacessíveis que se poderia pensar. Não havia muita coisa por lá, a não ser uma pequena cabana, sem luz elétrica ou qualquer luxo do mundo civilizado. Jane achou tudo horrível, mas Paul adorou o jeito rústico do lugar. Ele estava procurando por algo assim há bastante tempo, um refúgio que o tiraria da loucura dos Beatles e dos compromissos na carreira. Paul resolveu chamar seu rancho de High Park e em pouco tempo aquele seria um dos seus lugares preferidos.

Linda, a futura esposa de Paul, com seu jeito meio hippie, também adotaria a fazenda na Escócia como um dos melhores lugares para se estar. Paul e ela iam com regularidade para lá, onde ficavam isolados por semanas a fio. Nos primeiros meses Paul não modificou em nada a rudeza do lugar. Quando apareceu um buraco no teto ele mesmo tratou de consertar. Depois comprou equipamentos como um trator e começou uma criação de ovelhas. Acabou até mesmo seguindo a moda dos fazendeiros da região, deixando crescer uma grande barba vitoriana! Também mandou instalar energia elétrica, porque viver sem luz também já era demais! Assim quando Paul queria escapar das pressões era para lá que ele ia embora. Com as melhorias Paul foi levando cada vez mais coisas para High Park. Ele instalou praticamente um estúdio de gravação por lá, uma sugestão de Linda. E foi nesse lugar bucólico, isolado e de paz, que Paul acabou gravando seu primeiro disco solo.

Em "McCartney", o álbum, Paul fez tudo. Ele compôs as canções, tocou todos os instrumentos sozinho, gravou sua parte vocal e depois produziu as fitas. Foi um disco de um homem só. Paul tinha intenção de colocar o LP para venda logo no começo de 1970, mas como era de se prever em termos do selo Apple logo surgiram problemas. John Lennon parecia disposto a sabotar o disco de Paul. E ele tinha uma arma bem poderosa em suas mãos, o novo disco dos Beatles, "Let It Be". John arquitetou um plano para lançar o novo disco dos Beatles na mesma semana em que o novo disco de Paul fosse lançado. Sua intenção era acabar com Paul nas lojas, gerando uma concorrência pesada no mercado.

Quando soube disso Paul ficou indignado! Se aquilo acontecesse realmente suas vendas seriam baixas, pois os fãs certamente iriam escolher o disco dos Beatles ao invés do seu. Provavelmente essa deslealdade de John tenha sido o motivo que Paul estava esperando para processar todo mundo. Em poucos dias Paul abriu um processo contra a companhia de Allen Klein, o novo empresário dos Beatles, contra a Apple e contra os Beatles. Amigos desde quando eram adolescentes Paul agora processava John, George e Ringo. Isso abriu uma verdadeira caixa de Pandora e de repente todos eles estavam processando a si mesmos. "O fim dos Beatles foi uma situação do tipo 'eu processo você e você me processa!" - lamentaria Ringo anos depois. Não haveria mais volta depois de algo assim.

Pablo Aluísio.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 4

John Lennon deixou todos surpresos na Apple quando anunciou que iria embora dos Beatles. Para Paul era um choque completo! Tudo bem, o relacionamento entre os membros do grupo era cada dia pior, porém ele jamais poderia imaginar que John iria pular fora do barco! A reação de Paul foi tensa. Quando John lhe disse que estava fora, ele ficou branco como uma parede! Mal podia acreditar no que ouvia de seu companheiro de tantos anos... E John parecia bem decidido, era o fim mesmo!

"Você não pode deixar os Beatles!" - disse um chocado Paul. "Nós acabamos de assinar um contrato com a EMI até 1975! Você está louco?" - ao que John respondeu: "Que se dane! Me processem! Eu não faço mais parte dos Beatles". A reunião continuou com muita tensão e a única coisa positiva que Paul conseguiu de John foi que ele não anunciasse nada na imprensa até o lançamento do próximo álbum dos Beatles, agora intitulado "Let It Be".

John concordou, mas avisou que nunca mais voltaria a gravar nada com os Beatles. Ringo ficou estupefato, sem saber o que pensar ou fazer, mas curiosamente George, conforme confessaria anos depois, ficou aliviado! Havia muita tensão entre George e Paul nos estúdios e ele criou uma aversão ao estilo de Paul, sempre controlador, sempre querendo que tudo fosse feito ao seu jeito. Apesar disso McCartney tinha razão quando disse a John que os Beatles não podiam se separar naquele momento. A EMI contava com discos inéditos dos Beatles até meados da década de 1970 - ninguém poderia pensar que os Beatles iriam se auto destruir tão cedo! E era certo que todos eles seriam processados por quebra de contrato! Era um desastre completo!

Anos depois em uma entrevista John Lennon explicou sua decisão: "Eu fiquei ali dizendo não, não é não para tudo e para todos. Paul agiu como se eu tivesse pedido um divórcio! Os Beatles, na verdade, já estavam acabados há pelo menos uns três anos. Paul fez um bom trabalho nos mantendo unidos enquanto não sabíamos que caminho seguir na vida. Nessa fase ele supostamente nos liderou, mas para que serve uma liderança se você fica andando em círculos?".

Naquela época a Apple se preparava para o lançamento de dois discos, "Let It Be" e "McCartney", que seria o primeiro disco solo de Paul. Havia um clima de tensão sufocante no selo, mas Paul, para choque mundial, se adiantou e foi à imprensa dizendo que ele estava deixando os Beatles! No dia seguinte manchetes de todo o mundo diziam: "Paul deixa os Beatles!". John se sentiu completamente traído por ele. Lennon havia concordado em esperar, antes de anunciar publicamente que estava deixando os Beatles e agora Paul o apunhalava pelas costas, fazendo o mesmo! Era o fim da picada! O sonho estava definitivamente acabado.

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple - Parte 3

O clima de tensão e rivalidade entre Paul e John só aumentou com o passar do tempo. Já por volta de 1969 Paul McCartney resolveu consultar alguns advogados pois ele estava planejando processar a Apple e os demais Beatles. Claro que algo assim significaria o fim do conjunto, mas era uma possibilidade que não poderia ser descartada. Enquanto Paul se decidia ou não em processar todo mundo surgia um novo foco de conflito dentro da Apple.

John Lennon, sem consultar ninguém do grupo, decidiu por conta própria dar as fitas originais das gravações das sessões de Let It Be para o produtor Phil Spector. Lennon achava o material muito ruim, sem rumo, sem foco. Talvez Spector conseguisse transformar horas e horas de gravações ruins em um álbum! Quando soube disso Paul ficou completamente fora de si, afinal aquelas também eram suas músicas e nunca alguém tinha mexido nelas antes sem sua expressa autorização.

Canções como "The Long and Winding Road" e a própria "Let It Be" estavam inacabadas, precisando de um complemento em seus arranjos, algo que Paul estava preparando para fazer nos estúdios de Abbey Road. Antes que isso acontecesse John se antecipou e deu tudo para Spector em Nova Iorque dizendo que ele fizesse o que bem entendesse com as gravações. Paul ligou para John e ambos tiveram uma conversa tensa, cheia de ofensas pessoais e ameaças de processo. John disse que não voltaria atrás ao que Paul avisou que se as fitas não voltassem a Londres ele iria processar os Beatles, a EMI e o próprio Phil Spector.

John parecia se divertir com a situação. Ele chegou a afirmar que todo o material era uma grande m* e não estava nem aí para o que Phil Spector iria fazer com ele. Esse seria o começo de uma parceria entre John e o produtor, algo que se estenderia em sua carreira solo, quando Spector iria produzir muitos de seus discos. Para Paul porém não estava nada OK. Ele se irritou quando soube que Spector estava escrevendo um novo arranjo para "The Long and Winding Road". Talvez esse fato tenha sido a gota d'água! As más notícias porém não paravam por aí. Durante outra daquelas reuniões cheias de desaforos e ofensas na Apple, John deixou todos chocados ao bater o punho sobre a mesa, avisando: "Estou fora dos Beatles! Para mim chega!".

Pablo Aluísio.