domingo, 28 de agosto de 2016

Pink Floyd - Wall in Progress (1978-1979)

Com o surgimento da internet o mercado de bootlegs explodiu! O número de títulos segue a cada ano cada vez maior. E os títulos são muitos. Para quem gosta de rock clássico e rock progressivo não poderia haver melhor notícia. Muito material assim segue sendo lançado. Aqui temos um bootleg criado a partir de demos e takes alternativos do clássico álbum "The Wall" do Pink Floyd. Como bem sabemos "The Wall" foi um disco concebido, criado e idealizado por Roger Waters. Antes de entrar no estúdio ele gravou diversas faixas demo para apresentar as canções ao resto do grupo (não havia dito que tudo veio de sua mente criativa?).

Pois então parte desse material foi resgatado nesse CD. É um material cru, sem muito trabalho de finalização, de arte final. Tudo soa quase como foi composto. Water é provavelmente o músico mais egocêntrico do universo, mas aqui vemos parte de sua incrível genialidade. Não digo que esse tipo de material vá interessar para quem não é fã do Pink Floyd, mas certamente será de extremo interesse para os fãs de carteirinha. O álbum "The Wall" segue sendo bem debatido até nos dias de hoje, já para quem deseja apenas ouvir uma semente do disco, poucos títulos podem ser tão interessantes como esse. Recomendado? Certamente sim.

Pink Floyd - Wall in Progress (1978-1979)
01. In The Flesh?  02. The Thin Ice 03. Another Brick In The Wall Part 1  04. The Happiest Days Of Our Lives 05. Another Brick In The Wall Part 2 06. Mother 07. Goodbye Blue Sky 08. Empty Spaces Part 1 09. Young Lust 10. One Of My Turns 11. Don't Leave Me Now 12. Empty Spaces Part 2 13. What Shall We Do Now? 14. Another Brick In The Wall Part 3 15. Goodbye Cruel World 16. Nobody Home 17. Vera 18. Bring The Boys Back Home 19. Is There Anybody Out There? Part 1 20. Is There Anybody Out There? Part 2 21. Comfortably Numb 22. Hey You 23. The Show Must Go On  24. In The Flesh 25. Run Like Hell 26. Wating For The Worms 27. Stop 28. The Trial  29. Outside The Wall.

Pablo Aluísio.

sábado, 27 de agosto de 2016

Elvis Presley - I'll Remember You

Elvis Presley - I'll Remember You
Soundboard gravado nos dia 02 e 03 de fevereiro de 1973 em Las Vegas. Essa temporada sucedeu o grande "Aloha From Hawaii" e trouxe um Elvis doente, exausto e sem interesse. Essa triste situação era até bem fácil de compreender. Depois do "Aloha" as temporadas em Las Vegas soavam completamente sem interesse ou sentido para o cantor. Ele tinha esperanças (e muita vontade) de realizar uma grande turnê pela Europa. Vivia falando em fazer shows em Londres ou Paris. Isso porém jamais aconteceria. O Coronel Parker era um empresário mal-intencionado e limitado intelectualmente. Ao invés de levar o show de Elvis aos palcos do mundo (algo que todos os grandes astros da época faziam) ele preferiu afundar Elvis em mais uma previsível, tediosa e chata temporada em Vegas. Sem condições adequadas de saúde (afinal Elvis havia sido salvo de uma overdose de drogas após o show no Havaí) e completamente frustrado, ele subiu ao palco naquela temporada sem qualquer vontade de realizar boas apresentações.

O Elvia da temporada de 1973 em Las Vegas soa como um burocrata tendo que bater o ponto. Poucas músicas novas foram adicionadas ao repertório (Elvis não queria mais ensaiar) e os concertos fatalmente caíram no tédio absoluto. Um colunista da cidade chegou a escrever na época: "Elvis parece mais desinteressado do que nunca. Ele não demonstra mais a boa vontade e o prazer de cantar das temporadas anteriores. Geralmente anda esquecendo as letras das músicas e tudo parece transcorrer ao acaso. Elvis também precisa prestar mais atenção nos longos monólogos que anda fazendo. Ao invés de cantar ele fica falando demais entre as canções. As piadas estão repetidas, o que foi mais um fator negativo que me fez não gostar desse show". O Coronel Parker mandou os membros da máfia de Memphis esconderem as críticas negativas, o que foi muito ruim. Se Elvis tivesse conhecimento do que andavam falando dele na imprensa certamente ele teria melhorado a qualidade de suas apresentações. Enfim, diante disso o que temos aqui é mais um lançamento sem grandes novidades, soando realmente banal, com Elvis em controle remoto, bem apático. Data de lançamento: 08 de dezembro de 2008.

Elvis Presley - FTD I'll Remember You
1. See See Rider 2. I Got A Woman / Amen 3. Until It's Time For You To Go 4. You Don't Have To Say You Love Me 5. Steamroller Blues 6. You Gave Me A Mountain 7. Fever 8. Love Me 9. Blue Suede Shoes 10. Love Me Tender 11. Johnny B. Goode 12. Hound Dog 13. What Now My Love 14. Suspicious Minds 15. Introductions By Elvis 16. I Can't Stop Loving You 17. American Trilogy 18. Can't Help Falling In Love Bonus Song: 19. Sweet Caroline (Midnight Show, Feb.2) 20. I'll Remember You (Dinner Show, Feb.3)

Pablo Aluísio.

Elvis Presley - A New Kind Of Rhythm

Elvis Presley - A New Kind Of Rhythm
Esse CD foi lançado pelo selo Madison em 2007. Obviamente se trata de mais um Bootleg. Intitulado "A New Kind Of Rhythm!", trouxe o show que Elvis realizou no dia 21 de março de 1976 em Cincinnati, Ohio. O título traz algumas novidades, entre elas o fato das gravações originais terem sido gravadas no sistema "Living Binaural", o que garantiu maior fidelidade e qualidade. Outra novidade se referia ao próprio grupo que acompanhou Elvis no palco. Aqui temos a participação de Larrie Londin, considerado por muitos melhor baterista até do que o titular e costumeiro Ronnie Tutt. Outra novidade foi a presença de Shane Keister nos teclados. Com banda renovada Elvis partiu para essa verdadeira maratona de shows pelos Estados Unidos, cruzando o país de costa a costa, em apresentações quase ininterruptas. Em 1976 ele certamente cumpriu uma das agendas de concertos mais puxados de toda a sua carreira. Endividado, Elvis teve que trabalhar como nunca.

Como sempre, o cantor alternou momentos de descontração com outros de seriedade nas interpretações, sendo destaque sua performance em canções como "You Gave Me A Mountain", "America The Beautiful", "And I Love You So" e a sempre memorável "Hurt". Já em relação aos seus antigos clássicos roqueiros os destruiu sem dó e nem piedade, trazendo uma incrível sucessão de interpretações péssimas, sem qualquer capricho ou respeito. Geralmente cantando a meia voz, sem ligar para a letra (se estava certa ou errada), Elvis parecia usar seu antigo repertório como uma espécie de piada de mau gosto. Pouco se importando em cantar hits como "Teddy Bear / Don't Be Cruel" da maneira certa. Outro aspecto vem das apresentações infindáveis de seus músicos. Elvis usava isso para descansar, geralmente fora do palco, enquanto seus músicos tentavam dar conta do recado praticamente sozinhos. Como complemento o CD trazia um encarte especial com 16 páginas, com muitas fotos do concerto realizado pelo cantor naquela ocasião.

Elvis Presley - A New Kind Of Rhythm (2007)
01 - Introduction: Also Sprach Zarathustra 0:36 ; 02 - C.C. Rider 4:06 ; 03 - I Got A Woman / Amen 4:37 ; 04 - Love Me (w/false start) 1:57 ; 05 - Let Me Be There 2:48 ; 06 - Love Me Tender 1:44 ; 07 - Steamroller Blues 3:03 ; 08 - All Shook Up 1:00 ; 09 - Teddy Bear / Don't Be Cruel 2:05 ; 10 - You Gave Me A Mountain 3:23 ; 11 - Polk Salad Annie 3:41 ; 12 - Introductions by Elvis of vocalists, band (incomplete) 0:39 ; 13 - What I'd Say? (James Burton) 0:47 ; 14 - Drum solo (Larrie Londin) 0:43 ; 15 - Bass solo (Jerry Scheff) 1:00 ; 16 - Piano solo (Shane Keister) 0:59 ; 17 - Electric piano solo (David "Bobby" Briggs) 0:45 ; 18 - Introduction by Elvis of orchestra 0:18 ; 19 - School Day (Joe Guercio Orchestra) 0:59 ; 20 - And I Love You So (w/false start) 4:00 ; 21 - Hurt 2:17 ; 22 - Hurt (full reprise) 2:11 ; 23 - Emergency Announcement (Elvis) 0:29 ; 24 - Burning Love 3:05 ; 25 - America The Beautiful 2:12 ; 26 - Hound Dog 1:58 ; 27 - Funny How Time Slips Away 3:07 ; 28 - Can't Help Falling In Love 1:49 ; 29 - Closing vamp 1:14 ; 30 - "Elvis Has Left The Building" and Final Announcements (Al Dvorin) 3:10

Pablo Aluísio.

The Beatles - Maxwell's Silver Hammer

Essa canção foi uma das mais perfeitas, do ponto de vista técnico, da carreira dos Beatles. Essa perfeição porém teve seu preço. Os demais membros do grupo começaram a se irritar com Paul McCartney porque a gravação parecia nunca ter fim... Paul sempre aparecia querendo lapidar ainda mais a faixa, acrescentar algum detalhe, alguma novidade em sua sonoridade. O preciosismo absurdo de Paul irritou tanto os outros que Lennon simplesmente sumiu do estúdio por duas semanas apenas para não se envolver mais na gravação dessa faixa. Para ele "Maxwell's Silver Hammer" era de uma chatice indescritível.

Depois que John foi embora, George Harrison também começou a criticar a música de Paul, dizendo que ela era uma coisa velha, ultrapassada, Parecia a música que Paul estava fazendo para seu avô - por causa da sonoridade anos 1920 que McCartney queria trazer para a faixa. Tentando amenizar tudo Ringo Starr (sempre ele, o conciliador) afirmou que havia um exagero na rabugice de John e George. Ok, a música tinha um timing envelhecido, de tempos antigos, mas também era verdade que ela resultou em uma gravação absurdamente perfeita, cheia de inovações sonoras, que não eram comuns em discos de banda de rock dos anos 60. Mais uma inovação sem precedentes dos Beatles nesse aspecto.

Maxwell's Silver Hammer (John Lennon / Paul McCartney) Álbum: Abbey Road / Data de Gravação: 25 de agosto de 1969 / Data de Lançamento: 31 de outubro de 1969 / Local de gravação: Abbey Road Studios, Londres / Músicos: Paul McCartney (vocais, baixo, piano), George Harrison (guitarra, baixo, sintetizador), Ringo Starr (bateria, bigorna), George Martin (órgão). 

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Paul McCartney - The Pound is Sinking

Bom, se você ainda tinha dúvida sobre o fato de Paul McCartney ser um excelente e astuto homem de negócios, que tal ouvir essa faixa fora do comum do disco "Tug of War"? Embora o ritmo e a melodia sejam bem no estilo de Paul, sua letra é completamente surreal e incomum. Na verdade até hoje não sei aonde McCartney estava com a cabeça quando escreveu esses versos. Vou além, se formos prestar bem a atenção notaremos que provavelmente a canção seja a fusão de duas músicas diferentes, com duas letras bem diversas. Na primeira estrofe Paul faz um joguete com as principais moedas do mundo (Libra esterlina britânica, Marco alemão e o Dólar americano, entre outras). Em tempos pré-União europeia, Paul parece se divertir em sair nomeando todas elas em uma canção, mostrando a oscilação do mercado mobiliário de valores (não disse que ele era um business man?... pois é...).

Depois dessa introdução singular Paul começa a tecer pensamentos sobre um relacionamento em crise. Inicialmente ele começa a relembrar o passado com quem está falando. Os anos que se foram voltam à tona. Então, seguindo em frente, o bom e velho Paul conclui tudo o que tenta dizer usando uma máxima do Darwinismo social que diz: "Apenas os fortes sobrevivem"! Depois disso, sem maiores explicações, fecha a canção de maneira um pouco precipitada! Fez muito sentido para você? Estranho realmente. A conclusão que chegamos é que Sir Paul McCartney quis fazer uma analogia entre o mundo do capitalismo e o mundo dos relacionamentos e sentimentos humanos. O resultado ficou apenas surreal e diferente (bem diferente!). O melhor mesmo dessa canção é sua melodia. George Martin criou efeitos parecidos com a de moedas caindo ao chão em sua introdução. Depois entra a harmonia. O arranjo ora é simples (com violão despojado), ora lembra os melhores rocks da fase Wings. Uma montanha russa melódica que sempre gostei bastante. Paul que sempre foi um compositor realmente criativo demonstra nessa faixa que não há limites para quem procura sempre por algo mais inovador.

The Pound is Sinking (Paul McCartney) / Álbum: Tug Of War / Data de gravação: Outubro de 1980 a Setembro de 1981 / Local de Gravação: Abbey Road Studios, Londres / Produtor: George Martin / Músicos: Paul McCartney (vocais, violão, guitarra, piano), Denny Laine (guitarra), Eric Stewart (guitarra), Ringo Starr (bateria), George Martin (piano), Linda McCartney (órgão), Stanley Clark (baixo), Carl Perkins (violão), Adrian Shepard (bateria).

Pablo Aluísio.

sábado, 20 de agosto de 2016

Elvis Presley - FTD An American Trilogy

Elvis Presley - FTD An American Trilogy
Esse CD traz mais uma temporada de Elvis Presley no Las Vegas Hilton. Gravado em janeiro e fevereiro de 1972 essa temporada de apresentações pode ser considerada um bom momento na carreira de Elvis em Vegas, tanto que o cantor finalmente, após um bom tempo, trouxe finalmente canções inéditas para o seu repertório como "It's Impossible", "It's Over", "The Impossible Dream" e claro, "American Trilogy". Talvez esse seja um dos últimos momentos de renovação relevante de Elvis nos palcos durante os anos 70. Dentro de pouco tempo Elvis entraria em um turbilhão pessoal do qual nunca mais conseguiu se recuperar. Ele foi traído pela esposa com seu próprio instrutor de caratê. Isso o abalou muito, a ponto de praticamente destruir sua auto estima. Para manter o pique dos shows e viagens, Elvis começou a usar quantidades maiores de remédios (drogas) que foram minando sua saúde, tanto física como mental.

Essa temporada em Las Vegas ainda não trazia sinais do degaste de Elvis por causa de todos esses acontecimentos. Por isso os shows são bons,  bem interessantes. Há ainda um claro envolvimento de Elvis com seu público, numa relação que poderia ser qualificada como um encontro de amigos. Outro fato que chama a atenção é que Elvis ainda se esforçava muito para agradar, sempre brincando, contando piadas, tentando manter o astral alto. Parecia estar de bem com a vida, bem humorado e sorridente. Essa talvez seja também a última temporada tranquila por parte de Elvis. Em 1973, por exemplo, ele faria uma péssima temporada e em 1974 daria grandes vexames em Las Vegas, aparecendo visivelmente drogado no palco. Por isso deixo a recomendação desse CD, um registro do grande cantor antes da queda que iria se iniciar em breve. Data de lançamento: 1º de abril de 2007.

Elvis Presley - FTD An American Trilogy
An American Trilogy - Also Sprach Zarathustra (2/15/72 MS) See See Rider (2/15/72 MS) Proud Mary (2/15/72 MS) Never Been To Spain (2/15/72 MS) You Gave Me A Mountain (2/15/72 MS) Love Me (2/15/72 MS) All Shook Up (2/15/72 MS) Teddy Bear / Don't Be Cruel (2/15/72 MS) Hound Dog (2/15/72 MS) Little Sister / Get Back (2/14/72 MS)* It's Impossible (2/16/72 MS)* It's Over (2/17/72 DS)* The Impossible Dream (2/16/72 MS)* A Big Hunk O' Love (2/14/72 MS)* An American Trilogy (2/14/72 MS) Can't Help Falling In Love (2/15/72 MS) Closing Riff (2/15/72 MS) Until It's Time For You To Go (1/26/72 OS) Polk Salad Annie (1/26/72 OS) One Night (1/26/72 OS) Bridge Over Troubled Water (1/26/72 OS) Lawdy Miss Clawdy (1/26/72 OS) I'll Remember You (1/26/72 OS) Suspicious Minds (1/26/72 OS) * Versões inéditas.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Elvis Presley no Texas

Elvis Presley no Texas
Data:11 de novembro de 1956 / Local: Cotton Bowl, Dallas, Texas.

Elvis tinha que fazer um show no Texas, mas como ele morria de medo de voar, resolveu alugar um vagão inteiro de um trem para chegar em Dallas a tempo. Foi acompanhado de seu amigo Nick Adams e Gene Smith. Os caras da banda, Scotty, Bill e D.J. tiveram mais coragem e foram de avião mesmo. O show foi realizado no Cotton Bowl Stadium, com lotação esgotada de 26.500 fãs. Elvis cantou 'Heartbreak Hotel', 'Long Tall Sally', 'I Was The One', 'Blue Suede Shoes', 'I Got A Woman', 'Love Me', 'Don't Be Cruel' e 'Hound Dog'. Os mais velhos não gostaram nada do show e o principal jornal do Texas no dia seguinte se referiu a Elvis como "O Marginal do Tennessee". O público adorou e o número de fãs cresceu tanto no Texas que nesse mesmo dia foi formado o primeiro fan club de Elvis Presley no Estado da Rosa Amarela. Dois meses antes o cantor tinha terminado as gravações de "Elvis", segundo disco da carreira de Elvis Presley.

Com o sucesso alcançado pelo seu primeiro disco e pelos singles "Heartbreak Hotel / I Was the One", "I Want You, I Need You,I Love You / My Baby Left Me" e "Don't Be Cruel / Hound Dog" Elvis conseguia o feito de emplacar quatro discos consecutivos entre os dez mais, sendo considerado já a aquela altura um fenômeno não só musical mas também social pois suas apresentações polêmicas em programas de TV lhe trazia cada vez mais popularidade. Sem dúvida 1956 foi o grande ano do Rei do Rock, o seu auge, sendo o sucesso tamanho alcançado por ele, que logo estava estreando no cinema com o filme "Love Me Tender" (ama-me com ternura, 1956) e alcançando novamente o primeiro lugar nas paradas com o single "Love Me Tender / Any Way You Want Me", além do lançamento de toda a trilha do filme num compacto duplo que foi lançado em novembro de 1956. Este era em suma tudo o que estava rolando nesta época com Elvis Presley, ou seja, ele estava no auge de sua popularidade. Assim em setembro de 1956 Elvis entrava novamente nos estúdios para "encher a lata".

Sem dúvida ele foi o mais rápido "Hit Maker" da história pois gravou este LP em apenas três dias nos Studios Radio Recorders da RCA em Hollywood. O LP foi lançado no final de 1956 alcançando o primeiro lugar nas paradas. Elvis Presley havia começado o ano como um obscuro cantor do sul dos Estados Unidos e terminou como um fenômeno de sucesso, nunca ninguém subiu tão rápido em tão pouco tempo. Fora estes dois discos, Elvis liderou as paradas mundiais também com singles de enorme sucesso. Este foi o início da carreira de um dos maiores sucessos da história do show business norte-americano.

Single nas lojas:
Lawdy, Miss Clawdy (Price) - Outro grande momento da carreira de Elvis que foi gravado no dia 3 de fevereiro de 1956 nos estúdios da RCA em Nova Iorque. Foi lançada como parte de um single com "Shake, Rattle and Roll" em Agosto de 56. Era uma das preferidas do Rei do Rock.

Shake, Rattle And Roll (Calhoun) - Clássico dos anos 50 que foi imortalizada na voz de Bill Halley and the comets. Ao longo dos anos esta música foi sendo gravada por diversos outros nomes como Little Richard e os Beatles. Sem dúvida é uma das melhores interpretações do cantor e uma das mais vibrantes músicas da história do Rock.

Pablo Aluísio.

sábado, 13 de agosto de 2016

Elvis Presley - Gold Lamé Suit

Elvis Presley - Gold Lamé Suit
Após terminar seu filme "Loving You" (a mulher que eu amo, 1957), Elvis fez uma apresentação no International Amphitheater em Chicago no dia 24 de março de 1957. Na ocasião o cantor usou a famosa roupa Gold Lamé Suit. A roupa toda dourada foi uma criação do estilista Nudie Cohen. Cinco dias depois o cantor voltava ao palco no Kiel Auditorium em St. Louis, no repertório seus maiores hits no momento, "All Shook Up", "Don't be Cruel" entre outras. Esta famosa roupa de show apareceria na capa do disco "Elvis Golden Records vol 2".

Este é um disco que reúne os principais singles de sucesso de Elvis Presley no período em que ele estava servindo o exército na Alemanha. Na minha modesta opinião é o melhor trabalho musical de toda a carreira do cantor. As canções aqui presentes são simplesmente o melhor exemplo do Rock'n'Roll de Elvis nos anos 50. Foi lançado em dezembro de 1959 marcando a despedida do rei aos melhores anos de sua trajetória artística. É a reunião dos cinco singles lançados por Elvis, no período de janeiro de 1958 a junho de 1959. Todos estes compactos receberam o disco de ouro e se tornaram "as gravações douradas do Rei". Apesar de ter sido lançadas separadamente, estas músicas foram gravadas nas mesmas sessões de gravação, que se realizaram um pouco antes do cantor partir para a Alemanha.

O subtítulo "50.000.000 Elvis Fans Can't Be Wrong", ou seja, "50.000.000 de fãs de Elvis não podem estar errados" retrata bem a popularidade do cantor em fins dos anos 1950. Na capa em diversas fotos da mesma pose o cantor está vestindo sua roupa primeira roupa de palco a se tornar bem famosa, avaliada em dez mil dólares, que passa a mensagem de que Elvis realmente era "o sonho dourado da indústria fonográfica". O fato engraçado é que mesmo tendo a usado em alguns shows, ele não aprovou a roupa por achá-la muito pesada e quente.

Melhor assim, desta forma a "Gold Lamé" ficou representando para a posteridade este momento da carreira de Elvis. Época que ficaria conhecida como àquela em que ninguém liderou as paradas mundiais de sucesso com tanta frequência quanto ele. Estas canções marcam também a despedida do contrabaixista Bill Black pois ele deixou de trabalhar com Elvis depois de entrar em conflito com o coronel Parker por motivos financeiros. Assumiu deste modo o posto deixado por Black o músico Bob Moore. Era o fim dos "Blue Moon Boys".

Single nas lojas:
All Shook Up (Elvis Presley / Blackwell) — Esta canção alcançou tamanho sucesso quando lançada que se tornou parte do vocabulário da juventude norte americana da época. Elvis alcança uma das mais brilhantes interpretações de sua vida resultando num dos singles mais vendidos de sua carreira. A canção chegou a Elvis através de Steve Sholes, seu produtor na RCA Victor. O single alcançou o primeiro lugar da parada da revista Billboard em março de 1957 tendo sido gravada em 12 de janeiro do mesmo ano nos estúdios Radio Recorders em Hollywood. Esta canção foi gravada primeiramente como "I´m All Shook Up" por David Hill, na Aladdin Records. Elvis gravou fazendo percussão na parte de trás do violão. O single ficou durante nove semanas no topo das paradas dos EUA, seu maior tempo consecutivo como número 1. Também foi seu primeiro número 1 na Inglaterra.

That's When Your Heartaches Begin (Raskin / Brown / Fisher} - Em 1953 Elvis entrou pela primeira vez num estúdio de gravação. Pagou quatro dólares e saiu com o primeiro acetato de sua vida. A lenda afirmava que o cantor havia gravado este disco para dar de presente a sua mãe mas o que Elvis queria mesmo era ouvir como ficava sua voz num disco. Este pequeno acetato contava com "My Happiness" no lado A e esta música no lado B. Esta é uma versão gravada posteriormente por Elvis já como cantor profissional e que foi lado B de "All Shook Up" em março de 1957. A versão do Acetato só foi encontrada muitos anos depois e lançada na caixa de cinco CDs intitulada "The King of Rock'n'Roll". A Versão original desta música foi lançada em 1950 pelo grupo "The Ink Spots".

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Backbeat

Trilha sonora do filme "Os Cinco Rapazes de Liverpool" (Backbeat, no original). Na Inglaterra foram lançados duas versões do disco. A primeira, para venda comum em lojas, na versão compact disc (CD). A segunda, item para colecionador em tiragem limitada, foi lançada no formato vinil. Essa prensagem era obviamente um produto visando um público bem específico - a dos saudosistas do velho e bom bolachão, do vinil.

O som é dos melhores. O ex-beatle Ringo Starr colaborou indiretamente na produção desse disco. Quando as primeiras versões lhe foram apresentadas ele convenceu os produtores de que o som não estava pesado o suficiente. Ringo disse: "Os Beatles nessa época de Hamburgo (onde a história do filme se passa) mais parecia uma banda punk do que aquilo que ouvimos em seus primeiros discos". Assim, seguindo os conselhos do veterano baterista, o grupo voltou ao estúdio para acelerar o tempo das canções, além de acrescentar uma certa "sujeira" na sonoridade. O resultado é ótimo. Os Beatles, em seus primórdios, nunca soaram tão bem e pulsantes. Enfim, uma ótima trilha sonora para um ótimo filme (o melhor já feito sobre o famoso quarteto de Liverpool).

Backbeat (Soundtrack album)
1. Money
2. Long Tall Sally
3. Bad Boy
4.Twist And Shout
5. Please Mr Postman
6. C'Mon Everybody
7. Rock 'N' Roll Music
8. Slow Down
9. Roadrunner
10. Carol
11. Good Golly Miss Molly
12. 20 Flight Rock

Pablo Aluísio.

sábado, 6 de agosto de 2016

Paul McCartney - Tug Of War

Linda canção tema desse que considero um dos grandes discos da carreira solo de Sir Paul McCartney. Aqui temos mais um exemplo do grande trabalho de arranjo e orquestra por parte do maestro George Martin. É interessante notar que Paul continuou a trabalhar com ele após o fim dos Beatles. Isso trouxe muita qualidade para os trabalhos solos do cantor, ao contrário de John Lennon, por exemplo, cujos discos gravados após o final dos Beatles sempre foram criticados por causa dos arranjos simples, sem muita sofisticação. A falta de George Martin era sempre realçada e lembrada quando qualquer novo álbum do ex-beatle chegava nas lojas.

A melodia de "Tug of War" é até simples. Embora seja uma faixa onde a parte orquestral é sentida desde o primeiro segundo, o fato é que Martin e Paul chegaram na conclusão que sua simplicidade - como o inicial acompanhamento de violão, onde foi composta - deveria ser mantida. Em cima disso toda a orquestral seria construída, sem nunca porém se sobressair ao seu refrão singelo, diria até naturalista. A letra também é destaque porque é aberta a todo tipo de interpretação. Estaria Paul falando de um cabo de guerra dentro de um relacionamento, onde o casal acaba se vendo em uma disputa por poder e controle, ou ao contrário Paul estaria se referindo a um aspecto maior, envolvendo toda a sociedade humana como um todo? Ambas as formas de entender a canção são válidas. Em suma, mais uma bela composição do gênio Paul, sempre surpreendendo a cada novo álbum.

Tug Of War (Paul McCartney) / Álbum: Tug Of War / Data de gravação: Outubro de 1980 a Setembro de 1981 / Local de Gravação: Abbey Road Studios, Londres / Produtor: George Martin / Músicos: Paul McCartney (vocais, violão, guitarra, piano), Denny Laine (guitarra), Eric Stewart (guitarra), Ringo Starr (bateria), George Martin (piano), Linda McCartney (órgão), Stanley Clark (baixo), Carl Perkins (violão), Adrian Shepard (bateria).

Pablo Aluísio.